Podcasts de história

Muhammad Ali - História

Muhammad Ali - História

Muhammad Ali

1942-2016

Lenda do boxe

Nasceu Cassius Clay em Louisville, Kentucky, em 17 de janeiro de 1942. Ele começou a treinar boxeador aos 12 anos. Ali começou a vencer importantes lutas de boxe amador de peso pesado em 1960, incluindo uma medalha de ouro olímpica. Ele se profissionalizou e venceu o campeonato nacional de pesos pesados ​​em 1964 ao derrotar Sonny Liston. Clay se converteu ao islamismo em 1967 e adotou o nome de Muhammad Ali.
Ele era conhecido pelo estilo que trouxe para o boxe, bem como pela poesia divertidamente arrogante que recitava durante as entrevistas. Um de seus versos famosos previu que ele iria "flutuar como uma borboleta, picar como uma abelha" e nocautear Sonny Liston na "oitava rodada para provar que sou ótimo". Ali se tornou uma figura controversa quando se recusou a entrar no serviço militar dos Estados Unidos. Ele perdeu seu título, mas começou a se recuperar em 1970, lutando contra oponentes como Joe Frazier e George Foreman. Ali conseguiu ganhar o título nacional, perdê-lo e recuperá-lo. Ali se aposentou do boxe em 1981 aos 39 anos. Ele foi diagnosticado com doença de Parkinson em 1984 e sofreu com isso pelo resto de sua vida.


O jovem Muhammad Ali nocauteou Sonny Liston pelo primeiro título mundial

Em 25 de fevereiro de 1964, Cassius Clay, de 22 anos, chocou os criadores de chances ao destronar o campeão mundial de boxe peso-pesado Sonny Liston em um nocaute técnico no sétimo round. O temido Liston, que havia demolido o ex-campeão Floyd Patterson duas vezes em uma rodada, era um favorito de 8 para 1. No entanto, Clay previu a vitória, vangloriando-se de que & # x201Cflutuaria como uma borboleta, picaria como uma abelha & # x201D e nocautearia Liston no oitavo assalto. & # XA0

O jovem loquaz e veloz que mais tarde se tornaria conhecido como Muhammed Ali precisou de menos tempo para cumprir sua reivindicação & # x2014Liston, reclamando de um ombro machucado, não atendeu ao sino da sétima rodada. Alguns momentos depois, um novo campeão dos pesos pesados ​​foi proclamado.

Cassius Marcellus Clay Jr. nasceu em Louisville, Kentucky, em 1942. Ele começou no boxe aos 12 anos e aos 18 tinha acumulado um recorde de mais de 100 vitórias em competições amadoras. Em 1959, conquistou o título internacional do Luvas de Ouro dos pesos pesados ​​e, em 1960, a medalha de ouro na categoria meio-pesado nos Jogos Olímpicos de Verão de Roma. Clay se profissionalizou após as Olimpíadas e ficou invicto em suas primeiras 19 lutas, o que lhe valeu o direito de desafiar Sonny Liston, que derrotou Floyd Patterson em 1962 para ganhar o título dos pesos pesados.

Em 25 de fevereiro de 1964, uma multidão de 8.300 espectadores se reuniu na arena do Convention Hall em Miami Beach para ver se Cassius Clay, apelidado de & # x201CLouisville Lip & # x201D, poderia colocar seu dinheiro onde estava sua boca. O oprimido provou não ser uma fraude de se gabar, e ele dançou e recuou para longe dos golpes poderosos de Liston & # x2019s enquanto desferia golpes rápidos e punitivos na cabeça de Liston & # x2019s. Liston machucou o ombro no primeiro assalto, machucando alguns músculos ao se balançar e errar o alvo evasivo. Quando ele decidiu interromper a luta entre o sexto e o sétimo round, ele e Clay estavam quase iguais em pontos. Alguns conjeturaram que Liston fingiu a lesão e jogou a luta, mas não havia nenhuma evidência real, como uma mudança significativa nas probabilidades de licitação pouco antes da luta, para apoiar essa afirmação.

Para comemorar a conquista do título mundial dos pesos pesados, Clay foi a uma festa privada em um hotel de Miami que contou com a presença de seu amigo Malcolm X, um líder franco do grupo muçulmano afro-americano conhecido como a Nação do Islã. Dois dias depois, um Clay nitidamente mais contido anunciou que estava se juntando à Nação do Islã e defendeu o conceito de segregação racial da organização & # x2019, enquanto falava da importância da religião muçulmana em sua vida. Mais tarde naquele ano, Clay, que era descendente de um ex-escravizado, rejeitou o nome originalmente dado à sua família pelo dono dos povos escravizados e adotou o nome muçulmano de Muhammad Ali.


Muhammad Ali

Muhammad Ali nasceu em 17 de janeiro de 1942 em Louisville, Kentucky. Ele se tornou um lendário boxeador em virtude de se tornar o primeiro e único três vezes campeão mundial de boxe peso-pesado.

Este artigo fornece informações detalhadas sobre sua infância, vida, carreira no boxe, conquistas e cronograma de amplificação.

Ao nascer, ele era conhecido como Cassius Marcellus Clay Jr. Seu pai era Cassius Marcellus Clay Sr. e ele era um pintor de cartazes que também gostava de atuar, cantar e dançar. Sua mãe era Odessa Grady Clay. Ela trabalhava como faxineira quando o dinheiro era curto.

Ele tem um irmão chamado Rahman Ali, que também é muçulmano, que visita Masajids locais para Salat (orações).

Infância e vida precoce

Cassius Clay Sr. presenteou seu filho com um novo Schwinn vermelho e branco em 1954, que foi prontamente roubado. Cassius Clay, de 12 anos e 89 libras, jurou “Eu & # 8217m vou whup quem roubou minha bicicleta!” Ele relatou o roubo a um policial chamado Joe Martin. O policial, Joe Martin, disse ao jovem Cassius Clay que era melhor aprender a lutar antes de desafiar alguém. Após 6 meses de treinamento com Joe Martin, Cassius venceu sua luta de estreia em uma decisão de três rounds. O jovem Cassius Clay se dedicou ao boxe e ao treinamento com um fervor incomparável. De acordo com Joe Martin, Clay se diferenciava por duas coisas: ele era “atrevido” e superava todos os outros meninos. Martin começou a apresentar Ali em seu programa de televisão local, & # 8220Tomorrow & # 8217s Champions & # 8221, e começou a trabalhar Ali no Louisville & # 8217s Columbia Gym. Um treinador afro-americano chamado Fred Stoner ensinou a Ali a ciência do boxe. Entre as muitas coisas que Ali aprendeu foi como se mover com a graça e a facilidade de uma dançarina. Embora seus estudos tenham sofrido, Ali dedicou todo o seu tempo ao boxe e melhorou constantemente. Martin serviu como seu primeiro treinador, ensinando-lhe os detalhes técnicos do jogo. Nos últimos quatro anos de sua carreira amadora, ele foi treinado pelo cutman Chuck Bodak.

& # 8220Flutuar como uma borboleta, picar como uma abelha & # 8221

Mesmo sendo um adolescente, Ali venceu os campeonatos nacionais da União Atlética Amadora (AAU) e das Luvas de Ouro. Aos dezoito anos disputou as Olimpíadas de 1960 em Roma, Itália, conquistando a medalha de ouro na categoria meio-pesado. Isso levou a um contrato com um grupo de milionários chamado Louisville Sponsors Group. Foi o maior contrato já assinado por um boxeador profissional. Ali conquistou uma série de vitórias profissionais, usando um estilo que combinava velocidade com grande poder de soco. Ele foi descrito por um de seus treinadores como tendo a capacidade de & # 8220 flutuar como uma borboleta e picar como uma abelha. & # 8221

O estilo único de Ali & # 8217 de se gabar, rimar e expressar confiança atraiu considerável atenção da mídia enquanto ele se movia em direção a uma chance de lutar pelo campeonato mundial de boxe peso-pesado. Quando ele começou a escrever poemas prevendo suas vitórias em diferentes lutas, ele ficou conhecido como & # 8220The Louisville Lip. & # 8221 Tanto a atenção quanto sua habilidade como lutador valeram a pena. Em fevereiro de 1964, quando tinha apenas 22 anos, ele lutou e derrotou Sonny Liston pelo campeonato mundial de pesos pesados.

Muhammad Ali foi apelidado de "O Maior". Ele foi uma das lendas do boxe profissional. Ele tinha 1,83 m de altura e se tornou uma figura imponente no ringue. Ele se tornou famoso por seu trabalho de pés rápido e poderoso jab. O que o diferencia de seus contemporâneos são os valores que ele tem defendido ao longo de sua vida. Ele acredita firmemente na liberdade religiosa e na justiça racial. Esses valores o atraíram para se converter ao islamismo. Ele mudou seu nome de escravo, Cassius Marcellus Clay, para Muhammad Ali. Ele é uma das figuras do esporte mais reconhecidas dos últimos 100 anos. Muhammad Ali criou ondas na arena do boxe profissional na tenra idade de 22, ao nocautear o então campeão peso-pesado Sonny Liston em 1964. Depois disso, não havia como voltar atrás para este poderoso lutador que nocauteou cada um de seus oponentes para conquistar o títulos.

Registro de Muhammad Ali

Muhammad Ali detém o recorde da carreira de 56 vitórias, cinco derrotas e 37 nocautes antes de se aposentar do boxe em 1981, aos 39 anos. As lutas mais extraordinárias foram contra Liston, Joe Frazier e George Foreman. Ele se tornou o primeiro e único três vezes campeão mundial de boxe peso-pesado linear. Fascinantemente, além de ser formidável e dominador, Ali era enormemente verbal também e começou o cerimonial de fazer comentários ao oponente muito antes da luta. Ele ofereceu liderança e um exemplo para homens e mulheres afro-americanos em todo o mundo com suas visões políticas e religiosas.

Esposa e Filhos

Os nomes de suas esposas são Yolonda Williams (m. 1986), Belinda Boyd (m. 1967-1977), Sonji Roi (m. 1964-1966), Veronica Porsche Ali (m. 1977-1986).

Seus filhos são Asaad Amin, Hana Ali, Jamillah Ali Miya Ali, Khaliah Ali Muhammad Ali Jr., Laila Ali, Maryum Ali, Rasheda Ali

Ali foi casado quatro vezes e teve nove filhos, incluindo dois filhos que teve fora do casamento. Ali se casou com sua primeira esposa, Sonji Roi, em 1964 eles se divorciaram após um ano quando ela se recusou a adotar as roupas e os costumes da Nação do Islã.

Ali se casou com sua segunda esposa, Belinda Boyd, de 17 anos, em 1967. Boyd e Ali tiveram quatro filhos: Maryum, nascida em 1969, Jamillah e Liban, ambas nascidas em 1970 e Muhammad Ali Jr. nascido em 1972. Boyd e Ali divorciado em 1976.

Ao mesmo tempo que Ali era casado com Boyd, ele viajou abertamente com Veronica Porche, que se tornou sua terceira esposa em 1977. O par teve duas filhas juntas, incluindo Laila Ali, que seguiu os passos de Ali ao se tornar uma campeã de boxe. Porche e Ali se divorciaram em 1986.

Ali se casou com sua quarta e última esposa Yolanda (& # 8220Lonnie & # 8221) em 1986. As duas se conheciam desde que Lonnie tinha apenas seis anos e Ali, 21, suas mães eram melhores amigas e criaram suas famílias na mesma rua. O casal Ali e Lonnie permaneceu casado até sua morte e teve um filho, Asaad.

Olimpíadas de roma

Muhammad Ali participou do torneio Golden Gloves da classe meio-pesado para novatos em 1956. Demorou três anos, mas finalmente, em 1959, Ali foi nomeado Campeão das Luvas de Ouro e ganhou o título nacional da União Atlética Amadora na divisão dos meio-pesados.

Logo após sua formatura no ensino médio, Cassius Clay, de 18 anos, começou sua jornada rumo à grandeza nas Olimpíadas de Roma de 1960. Sua personalidade expansiva e espírito grandioso lhe valeram o apelido de “O prefeito da Vila Olímpica”.

O futuro tricampeão mundial dos pesos pesados ​​quase perdeu a viagem a Roma devido ao medo de viajar de avião, ele insistiu em trazer um pára-quedas no avião com ele.

Em 5 de setembro de 1960, "The Greatest" provou seu domínio na Divisão de Boxe Meio-Pesado ao vencer Zigzy Pietrzykowski da Polônia, conquistando a medalha de ouro olímpica.

A Sports Illustrated elogiou a "confiança suprema" e os "passos de dança intrincados" de Clay & # 8217s.

Muhammad Ali, em sua primeira luta que aconteceu em 1954, ele venceu por decisão dividida. Depois disso, ele venceu o torneio Golden Gloves de 1956 para novatos na classe meio-pesado.

Em 1959, ele venceu o National Golden Gloves Tournament of Champions, bem como o título nacional da Amateur Athletic Union & # 8217s para a divisão dos meio-pesados.

Suas realizações notáveis ​​em seus anos de amador lhe renderam um assento na equipe olímpica de boxe dos Estados Unidos em 1960. Ele venceu as três primeiras lutas para enfrentar Zbigniew Pietrzkowski da Polônia. Esmagando este último, ele ganhou seu primeiro ouro no evento. A vitória olímpica garantiu a ele o status de "herói".

Suas vitórias heróicas, a maioria por nocaute, fizeram dele o principal candidato ao título de Sunny Liston. Como tal, uma luta foi agendada entre os dois para fevereiro de 1964 em Miami.

Enquanto Liston era o campeão em título, Clay parecia ser o azarão no evento, ainda mais porque suas últimas lutas contra Jones e Cooper demonstraram falta de habilidade.

Antes mesmo de a luta começar, os dois transformaram a pesagem pré-luta em um circo, humilhando e difamando um ao outro, um incidente inédito na história do boxe. Enfurecido com os comentários depreciativos, Liston procurou um rápido nocaute, mas perdeu a partida na sexta rodada

Muhammad Ali derrotou Liston e se tornou o então mais jovem boxeador a assumir o título de um atual campeão dos pesos pesados. Enquanto isso, em 1964, ele mudou seu nome de Cassius Marcellus Clay para Muhammad Ali, convertendo-se ao Islã. “Meu nome é Muhammad Ali”

Após a conversão, uma revanche foi combinada entre Ali e Liston. No entanto, a segunda partida teve o mesmo resultado que a primeira, exceto pelo fato de que durou apenas cerca de dois minutos.

Sua segunda defesa de título foi contra Floyd Patterson, que perdeu duas vezes para Liston em nocautes no primeiro round. A partida continuou por 12 rodadas após a qual ele foi declarado o vencedor.

Nos anos seguintes, ele venceu uma partida contra George Chuvalo, Henry Cooper, Brian London e Karl Mildenberger. Sua luta contra o Cleveland Williams no Houston Astrodome recebeu muitos holofotes, que ele venceu de forma convincente no terceiro round por TKO.

Em 1967, ele enfrentou Terrell, campeão dos pesados ​​invicto por cinco anos. A luta se prolongou por quinze rodadas, nas quais ambos os jogadores demonstraram grande habilidade e destreza. Ali, porém, venceu a luta por decisão unânime.

Ali foi destituído de seu título por se recusar a prestar seus serviços ao exército na Guerra do Vietnã. Além de ter sua licença de boxe suspensa, ele foi condenado a três anos e meio de prisão junto com uma multa.

Mudança religiosa

O porta-voz muçulmano Malcolm X (1925–1965) inspirou Ali. Ali começou a seguir a fé muçulmana negra chamada Nação do Islã (um grupo que apóia uma nação negra separada) e anunciou que havia mudado seu nome para Cássio X. Isso foi em um momento em que a luta pelos direitos civis estava no auge e os muçulmanos surgiram como uma força polêmica (causando disputas), mas importante na comunidade afro-americana. Mais tarde, o líder muçulmano Elijah Muhammad (1897–1975) deu-lhe o nome de Muhammad Ali, que significa & # 8220 amado por Alá. & # 8221 (Alá é uma palavra árabe para Deus). Em sua primeira defesa de título em maio de 1965, Ali derrotou Sonny Liston com um nocaute no primeiro assalto. (Muitos chamaram de soco fantasma porque era tão rápido e poderoso que poucos assistiam à luta ao mesmo tempo.). Ali defendeu com sucesso seu título mais oito vezes.

Durante a Guerra do Vietnã (1957-75), Ali foi convocado para o serviço militar em abril de 1967, uma guerra travada em uma tentativa malsucedida de impedir que o Vietnã do Norte comunista ultrapassasse o Vietnã do Sul). Ele afirmou que, como ministro da religião muçulmana negra, não era obrigado a servir. A imprensa o criticou como antipatriota, e a Comissão Atlética do Estado de Nova York e a Associação Mundial de Boxe suspenderam sua licença de boxe e o despojaram de seu título de peso pesado. Ali disse à Sports Illustrated, & # 8220I & # 8217 estou desistindo de meu título, minha riqueza, talvez meu futuro. Muitos grandes homens foram testados quanto às suas crenças religiosas. Se eu passar neste teste, sairei mais forte do que nunca. & # 8221 Ali foi finalmente condenado a cinco anos de prisão, mas foi libertado em apelação, e sua condenação foi rejeitada três anos depois pela Suprema Corte dos EUA.

Afiliação com a Nação do Islã

Quando Ali estava lutando no torneio Golden Gloves em Chicago em 1959, pela primeira vez ele ouviu sobre a Nação do Islã e participou de sua primeira reunião da Nação do Islã em 1961. Ele continuou a participar das reuniões, embora mantendo seu envolvimento escondido do público . Em 1962, Clay conheceu Malcolm X, que logo se tornou seu mentor espiritual e político. Na época da primeira luta de Liston, os membros da Nação do Islã, incluindo Malcolm X, estavam visíveis em sua comitiva. Isso levou a uma história no The Miami Herald pouco antes da luta revelando que Clay havia se juntado à Nação do Islã, o que quase causou o cancelamento da luta. O artigo citava Cassius Clay Sr. dizendo que seu filho se juntou aos muçulmanos negros quando tinha 18 anos.

Clay (Ali) foi impedido de entrar na Nação do Islã (frequentemente chamados de Muçulmanos Negros na época) inicialmente devido à sua carreira no boxe. No entanto, depois que ele ganhou o campeonato de Liston em 1964, a Nação do Islã foi mais receptiva e concordou em divulgar sua adesão. Pouco depois, em 6 de março, Elijah Muhammad fez um discurso pelo rádio dizendo que Clay seria rebatizado de Muhammad (alguém que merece elogios) Ali (altíssimo). Por volta dessa época, Ali se mudou para o lado sul de Chicago e morou em uma série de casas, sempre perto da residência de Maryam, da Nação do Islã e da mesquita # 8217s ou de Elijah Muhammad & # 8217s. Ele ficou em Chicago por cerca de 12 anos.

Apenas alguns jornalistas (principalmente Howard Cosell) aceitaram o novo nome na época. Mais tarde, Ali anunciou: & # 8220Cassius Clay é meu nome de escravo. & # 8221 Sem medo de irritar o sistema branco, Ali declarou: & # 8220Eu sou a América. Eu sou a parte que você não reconhecerá. Mas se acostume comigo. Negro, confiante, arrogante meu nome, não a sua minha religião, não seus meus objetivos, os meus se acostumar comigo. & # 8221 A amizade de Ali e # 8217 com Malcolm X terminou quando Malcolm se separou da Nação do Islã algumas semanas depois de Ali aderiu e Ali permaneceu com a Nação do Islã. Mais tarde, Ali disse que virar as costas para Malcolm foi um dos erros de que ele mais se arrependeu na vida.

Aliar-se à Nação do Islã, seu líder Elijah Muhammad, e uma narrativa que rotulou a raça branca como perpetradora de genocídio contra afro-americanos fez de Ali um alvo de condenação pública. A Nação do Islã era amplamente vista por brancos e alguns afro-americanos como um separatista negro & # 8220 religião de ódio & # 8221 com propensão à violência. Ali não hesitou em usar sua voz influente para falar a doutrina da Nação do Islã. Em uma coletiva de imprensa articulando sua oposição à Guerra do Vietnã, Ali declarou: & # 8220Meu inimigo são os brancos, não o vietcongue, chinês ou japonês. & # 8221 Em relação à integração, ele disse: & # 8220Nós que seguimos os ensinamentos de Elijah Muhammad não quer ser forçado a se integrar. A integração está errada. Não queremos viver com o homem branco que é todo mundo & # 8221.

Crenças posteriores

Em uma autobiografia de 2004, Ali atribuiu sua conversão ao Islã sunita dominante a Warith Deen Muhammad, que ganhou o controle da Nação do Islã após a morte de Elijah Muhammad e persuadiu os seguidores da Nação & # 8217s a se tornarem adeptos do Islã sunita. Muhammad Ali praticava o islamismo sunita.

Ali havia feito a peregrinação do Hajj a Meca em 1972, o que o inspirou de maneira semelhante a Malcolm X, conhecendo pessoas de diferentes cores de todo o mundo, dando-lhe uma perspectiva diferente e maior consciência espiritual. Em 1977, ele disse que, depois de se aposentar, ele dedicaria o resto de sua vida para se preparar & # 8220para encontrar Deus & # 8221 ajudando as pessoas, causas de caridade, unindo pessoas e ajudando a fazer a paz. Ele fez outra peregrinação do Hajj a Meca em 1988.

Após os ataques de 11 de setembro de 2001, ele afirmou que & # 8220O Islã é uma religião de paz & # 8221 e & # 8220 não promove o terrorismo ou a morte de pessoas & # 8221 e que estava & # 8220 zangado porque o mundo vê um certo grupo do Islã seguidores que causaram essa destruição, mas eles não são muçulmanos de verdade. Eles são fanáticos racistas que se autodenominam muçulmanos & # 8221. Em dezembro de 2015, ele afirmou que & # 8220Os muçulmanos verdadeiros sabem que a violência implacável dos chamados jihadistas islâmicos vai contra os próprios princípios de nossa religião & # 8221, que & # 8220Nós, como muçulmanos, temos que enfrentar aqueles que usam o Islã para avançar sua própria agenda pessoal & # 8221, e que & # 8220 líderes políticos devem usar sua posição para trazer compreensão sobre a religião do Islã e esclarecer que esses assassinos equivocados perverteram a visão das pessoas & # 8217s sobre o que o Islã realmente é. & # 8221

Mais tarde na vida, Ali desenvolveu um interesse pelo sufismo, ao qual fez referência em sua autobiografia, The Soul of a Butterfly. Por volta de 2005, Ali se converteu ao islamismo sufi e anunciou que, de todas as seitas islâmicas, ele se sentia mais fortemente inclinado ao sufismo. De acordo com a filha de Ali, Hana Yasmeen Ali, co-autora de The Soul of a Butterfly com ele, Ali se sentiu atraído pelo sufismo depois de ler os livros de Inayat Khan, que contêm ensinamentos sufis.

Ali depois se afastou dos ensinamentos de Inayat Khan & # 8217s sobre o sufismo universal depois que os sufis sunitas tradicionais criticaram o movimento como sendo contrário aos ensinamentos reais do islamismo sunita. Muhammad Ali recebeu orientação de estudiosos islâmicos sunitas-sufistas, como o Grande Mufti da Síria Almarhum Asy-Syaikh Ahmed Kuftaro, Shaykh Hisham Kabbani, Imam Zaid Shakir, Shaykh Hamza Yusuf e Dr. Timothy J. Gianotti, que estava ao lado da cama de Ali & # 8217 durante seus últimos dias e garantiu que seu funeral fosse de acordo com os ritos e rituais islâmicos.

Aposentadoria de Ali & # 8217s e retorno ao boxe

Quando Muhammad Ali se recusou a entrar no recrutamento para a Guerra do Vietnã, ele perdeu seus títulos de campeonato, passaporte e licenças de boxe. Ele perdeu uma batalha judicial inicial e enfrentava uma pena de prisão de 5 anos. Muhammad Ali foi a primeira figura nacional a se manifestar contra a guerra do Vietnã. Durante sua dispensa de 3 anos e meio, Ali ganhou a vida falando em faculdades. Em 1970, com o clima do país mudando, Ali encenou seu retorno primeiro contra Jerry Quarry em Atlanta, e depois Oscar Bonavena no Madison Square Garden. Em sua próxima luta, chamada de "A Luta do Século", Ali enfrentou o campeão invicto, Joe Frazier, no Madison Square Garden em 8 de março de 1971.

Ali lutou bravamente, mas perdeu. Meses depois, entretanto, ele venceu uma das maiores lutas de sua vida - a Suprema Corte reverteu sua condenação e manteve sua reclamação de objetor de consciência. Ali estava livre do espectro da prisão e, mais uma vez, capaz de boxear em qualquer lugar do mundo.

Ali voltou ao ringue e venceu Jerry Quarry em 1970. Cinco meses depois, ele perdeu para Joe Frazier (1944–), que o substituiu como campeão dos pesos pesados ​​quando seu título foi retirado. Ali recuperou o campeonato pela primeira vez quando derrotou George Foreman (1949–), que havia derrotado Frazier pelo título, em uma luta realizada no Zaire em 1974. Ali se referiu a essa partida como & # 8220Rumble in the Jungle. & # 8221 Ali lutou com Frazier várias outras vezes, incluindo uma luta em 1974 encenada na cidade de Nova York e uma luta realizada nas Filipinas em 1975, que Ali chamou de & # 8220Thrilla em Manila. & # 8221 Ali venceu as duas lutas para recuperar o título como o campeão mundial dos pesos pesados. Em 1975, a revista Sports Illustrated nomeou Ali seu & # 8220Esportista do Ano & # 8221

Ali agora usava um novo estilo de boxe, que ele chamava de & # 8220corda-a-droga. & # 8221 Ele deixava seus oponentes se desgastarem enquanto ele descansava, muitas vezes contra as cordas ele seria forte e atacaria nas últimas rodadas. Ali defendeu com sucesso seu título mais dez vezes. Ele manteve o campeonato até que Leon Spinks o derrotou em fevereiro de 1978 em Las Vegas, Nevada. Sete meses depois, Ali recuperou o título dos pesos pesados ​​ao derrotar Spinks em New Orleans, Louisiana, tornando-se o primeiro boxeador da história a vencer o campeonato dos pesos pesados ​​três vezes. No final de sua carreira no boxe, ele foi retardado por uma condição relacionada à doença de Parkinson & # 8217s (uma doença do sistema nervoso que resulta em tremores e fraqueza dos músculos). A última luta de Ali & # 8217 (foram sessenta e uma ao todo) ocorreu em 1981.

Papel de estadista

Quando a carreira de boxe de Ali terminou, ele se envolveu em causas sociais e políticas. Ele fez campanha para Jimmy Carter (1924–) e outros candidatos políticos democratas e participou da promoção de uma variedade de causas políticas voltadas para a pobreza e as necessidades das crianças. Ele até tentou ganhar a libertação de quatro americanos sequestrados no Líbano em 1985. Como resultado, sua imagem mudou e ele se tornou respeitado como estadista. Nos Jogos Olímpicos de Verão de 1996 em Atlanta, Geórgia, o mundo e seu país homenagearam Ali, escolhendo-o para acender a tocha olímpica durante as cerimônias de abertura.

Ali permanece sob os olhos do público, embora continue sofrendo os efeitos da doença de Parkinson & # 8217s. Em 1998, ele anunciou que estava deixando um programa de tratamento experimental em Boca Raton, Flórida, alegando que o líder do programa estava usando seu nome injustamente para ganhar publicidade. Em 1999, Ali se tornou o primeiro boxeador a aparecer em uma caixa de cereal Wheaties. Mais tarde naquele ano, ele apoiou uma nova lei para limpar o lado comercial do boxe. Após os ataques terroristas aos Estados Unidos em 11 de setembro de 2001, Ali concordou em gravar anúncios de sessenta segundos para serem transmitidos em países muçulmanos para mostrar que os Estados Unidos permaneceram amigos dos muçulmanos. Entre muitos documentários e livros sobre Ali, uma versão cinematográfica de sua vida, Ali, foi lançada em dezembro de 2001.

Prêmios e conquistas

Muhammad Ali foi homenageado com uma série de títulos, incluindo "O Maior", "Lutador do Ano", "Esportista do Ano", Esportista do Século e "Personalidade Esportiva do Século".

Ele foi o orgulhoso recebedor da Medalha de Cidadão Presidencial e da Medalha Presidencial da Liberdade, que recebeu em 2005 pelo então presidente George W. Bush.

Ele foi introduzido no International Boxing Hall of Fame. Ele ainda é homenageado com uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood em 6801 Hollywood Boulevard.

Ali foi pranteado globalmente e um porta-voz da família disse que a família & # 8220 certamente acredita que Muhammad era um cidadão do mundo ... e eles sabem que o mundo sofre com ele. & # 8221 Políticos como Barack Obama, Hillary Clinton, Bill Clinton, Donald Trump, David Cameron e outros prestaram homenagem a Ali. Ali também recebeu inúmeras homenagens do mundo dos esportes, incluindo Michael Jordan, Tiger Woods, Floyd Mayweather, Mike Tyson, o Miami Marlins, LeBron James, Steph Curry e muito mais. O prefeito de Louisville, Greg Fischer, declarou: & # 8220Muhammad Ali pertence ao mundo. Mas ele só tem uma cidade natal. & # 8221

As luvas de boxe Muhammad Ali & # 8217s estão preservadas no Museu Nacional de História Americana da Instituição Smithsonian.

Muhammad Ali Center

O Muhammad Ali Center (localizado na 144 N. Sixth Street, Louisville, KY 40202 EUA), é um centro multicultural com um museu premiado dedicado à vida e ao legado de Muhammad Ali. O museu do Center & # 8217s captura a inspiração derivada da história da vida incrível de Muhammad Ali e os seis princípios fundamentais que alimentaram sua jornada.

Os SEIS PRINCÍPIOS PRINCIPAIS são:

  • Confiança Crença em si mesmo, em suas habilidades e em seu futuro.
  • Convicção Uma crença firme que dá coragem para defender essa crença, apesar da pressão para fazer o contrário.
  • Dedicação O ato de devotar toda a sua energia, esforço e habilidades para uma determinada tarefa.
  • Dando Apresentar voluntariamente sem esperar nada em troca.
  • Respeito Estima ou senso de valor ou excelência de si mesmo e dos outros.
  • Espiritualidade Uma sensação de temor, reverência e paz interior inspirada por uma conexão com toda a criação e / ou com aquilo que é maior do que você mesmo. (Cortesia: https://alicenter.org/visit/)

Quando e como Muhammad Ali morreu?

Ele morreu em 3 de junho de 2016, em Scottsdale, Arizona, EUA, após ser hospitalizado devido ao que teria sido um problema respiratório. Ele foi diagnosticado com doença de Parkinson & # 8217s em 1984. A doença foi principalmente o resultado de ferimentos na cabeça que ele recebeu durante o boxe. Nos últimos anos, ele foi submetido a uma cirurgia para estenose espinhal. No início de 2015, o Champ lutou contra uma pneumonia e foi hospitalizado com uma infecção grave do trato urinário.

Ele morreu de complicações respiratórias em 3 de junho de 2016, em Scottsdale, Arizona, EUA, aos 74 anos. Ele está enterrado em Cemitério de Cave Hill em Louisville, Kentucky

O funeral de Ali foi planejado previamente por ele e outros por vários anos antes de sua morte real. Os cultos começaram em Louisville em 9 de junho de 2016, com um culto de oração islâmica Janazah no Freedom Hall no terreno do Kentucky Exposition Center. Em 10 de junho de 2016, a procissão fúnebre percorreu as ruas de Louisville e terminou no cemitério Cave Hill, onde Ali foi enterrado durante uma cerimônia privada. Seu túmulo está marcado com uma lápide de granito simples que leva apenas seu nome. Um serviço memorial público para Ali no centro de Louisville & # 8217s KFC Yum! O Centro foi realizado na tarde de 10 de junho. Os carregadores incluíram Will Smith, Lennox Lewis e Mike Tyson, e os carregadores honorários incluíram George Chuvalo, Larry Holmes e George Foreman. O memorial de Ali & # 8217s foi assistido por cerca de 1 bilhão de telespectadores em todo o mundo.

Seu patrimônio líquido é estimado em US $ 80 milhões.

Provérbios de Muhammad Ali:

“A amizade é a coisa mais difícil do mundo de explicar. Não é algo que você aprende na escola. Mas se você não aprendeu o significado de amizade, você realmente não aprendeu nada. ”

“Se minha mente pode conceber isso, e meu coração pode acreditar - então eu posso alcançá-lo.”

“Odiei cada minuto de treinamento, mas disse:“ Não desista. Sofra agora e viva o resto de sua vida como um campeão. ”

“É uma falta de fé que deixa as pessoas com medo de enfrentar os desafios, e eu acredito em mim mesmo” - Ali, sobre derrotar Foreman no Zaire.


  • 14 de fevereiro. Joe Bugner, Las Vegas. W 12
  • 21 de março. Ken Norton, San Diego. L 12
  • 10 de setembro. Ken Norton, Los Angeles. W 12
  • 20 de outubro. Rudi Lubbers, Jacarta. W 12

Ali venceu Joe Frazier em uma revanche de 12 rounds em janeiro. No final do ano, ele venceu George Foreman com um nocaute de oito rounds para retomar o título mundial.

  • 28 de janeiro. Joe Frazier, Nova York. W 12
  • 30 de outubro. George Foreman, Kinshasa, República Democrática do Congo. KO 8

Muhammad Ali: campeão olímpico

A alegria de Muhammad Ali foi ilimitada após seu triunfo, dizendo aos repórteres sobre o que significava ser um campeão olímpico:

Eu não tirei aquela medalha por 48 horas. Eu até usei para dormir. Não dormi muito bem porque tive que dormir de costas para que a medalha não me cortasse. Mas não me importei, fui campeão olímpico.

O estilo rápido e arrastado de Ali nem sempre agradava aos "puristas" do boxe, mas agora não havia como negar sua qualidade.

Assim como seu pai, músico e pintor, Cassius Marcellus Clay Sr., a quem Ali apelidou de "o dançarino mais chique de Louisville", o lutador de boxe podia "flutuar como uma borboleta". Mas sua pista de dança era o ringue de boxe.

O fato de que ele "picou como uma abelha" com seus socos rápidos, fez dele um pesadelo para os oponentes e um sonho de assistir milhões de fãs de boxe em todo o mundo.

Logo após seu retorno à América, Muhammad Ali se profissionalizou e fez sua estreia contra Tunney Hunsaker em 29 de outubro de 1960.

A jornada para se tornar 'The Greatest' estava bem e verdadeiramente em andamento.


A história secreta da fazenda mística de Muhammad Ali em Michigan

Muhammad Ali se foi, mas ele ainda nos fascina. E o mesmo acontece com o lugar que ele chamava de lar. Two years after his death, The Champ’s 81-acre southwest Michigan estate Rope-a-Dopes onto the market for $2.9 million, a relative bargain for so much land and legacy. Turns out, this residence is as charismatic as Ali. Tim Mitchell of Cressy & Everett Real Estate has the listing.

The Michigan farm is beautified by immaculate landscaping, shady trees, vegetable gardens, and . [+] ponds.

Courtesy of Cressy & Everett Real Estate

Ali’s spirit inhabits the gated Berrien Springs farm, located near the Indiana border. Here, protected by a mile of St. Joseph River frontage and surrounding forest, the boxing legend ducked his enormous fame and spotlight in favor of this farm’s privacy and serenity. Once a cocky boxer nicknamed the “Louisville Lip,” Ali’s retreat residence is anything but flashy, showcasing only what he and his wife Lonnie needed—four bedrooms, two bathrooms, security, and solitude. The gorgeous property is practically staged for idyllic nature walks.

The Ali estate is ideal for nature walks.

Courtesy of Cressy & Everett Real Estate

“It’s so tranquil out there,” says Mitchell, who once sold carmaker John Studebaker’s estate on Diamond Lake. “It’s an unbelievable, one-of-a-kind property. You're not going to find a mile on the river that feeds into Lake Michigan anywhere else.”

The estate boasts flawless landscaping and a contemplative gazebo.

Courtesy of Cressy & Everett Real Estate

Beautified by a circular drive, immaculate landscaping, shady trees, vegetable gardens, ponds, and the river on three sides, the expansive estate includes a main house, carriage house, original barns, car collector garages, pool, gym as well as Ali’s personal office and boxing ring—where “The Greatest” felt most at home.

The swimming pool is flanked by a large patio, bath house, outdoor fireplace, rock garden and an . [+] outdoor kitchen.

Courtesy of Cressy & Everett Real Estate

“He’d still use the heavy bag and speed bag,” says Mitchell, of the older, retired Ali. “From what I’m told, he was so good on the speed bag it was deafening because he hit it so hard.”

Muhammad Ali is considered by many "The Greatest" boxer of all time. (Foto AP)

This charming estate was built in 1900. From the 1920s, it was owned by gangster Al Capone’s notorious lieutenant bodyguard, Louis "Little New York" Campagna, who lived in a much larger residence on the site, according to Mitchell. Capone lived down river from this residence.

The main residence is four bedrooms and two bathrooms.

Courtesy of Cressy & Everett Real Estate

“I’m told the main house burnt down mysteriously in the 1920s and later they rebuilt, making the former barn the main house,” says Mitchell. “The carriage house became Ali’s office in the 1970s when he first moved there.”

The property includes a main house, carriage house, original barns, garages, a gym and Ali’s . [+] personal office.

Courtesy of Cressy & Everett Real Estate

So 8105 Kephart Lane has been baptized by extraordinary fame and infamy (and if you believe Ali family members, suspected ghost encounters). Campagna owned the land until about 1955 when the Seventh Day Adventist Church converted the property into a sanitarium for mental and physical healing, according to Mitchell’s account.

The property is selling for nearly $2.9 million.

Courtesy of Cressy & Everett Real Estate

The farm's healing powers also enchanted Ali, who retreated to his Michigan estate to recover following grueling fights in the latter third of his career, including The Rumble in the Jungle versus George Foreman, The Thrilla in Manilla versus Joe Frazier, and two championship bouts versus Leon Spinks.

Muhammad Ali defeats Joe Frazier in an especially brutal fight titled The Thrilla in Manilla. (AP . [+] Photo/Mitsunori Chigita, File)

“Lonnie says this estate was a great place for him to heal after fights,” says Mitchell. “The property is like a peninsula. He’d come back here where no one could find him.”

The Ali home is modest relative to the expansive exteriors.

Courtesy of Cressy & Everett Real Estate

Mitchell says Ali purchased the farm around 1975. After meeting the mayor of Benton Harbor, Michigan, Ali promised to visit and help the town through its financial troubles. When Ali saw the property, legend says he fell in love and bought it on the spot (for somewhere between $400,000 and $600,000).

The 118-year old home has been renovated and updated.

Courtesy of Cressy & Everett Real Estate

The 3960-square-foot main house offers an expansive living area, an imported tile kitchen, large pantry, patio and three-car garage. The carriage house is a private guest quarters with a sun room and deck overlooking a pond, a fountain and the river. The Champ invested in pricey upgrades for the gym, pool and office in the late 1990s.

The home boasts expansive living areas.

Courtesy of Cressy & Everett Real Estate

The estate’s official listing price is $2,895,037. While waiting at the front gate before meeting Ali’s widow Lonnie, Mitchell spent his time wisely—Googling Muhammad Ali's career. Lonnie asked him “Why did you price the home for an extra $37?” Mitchell responded, “Don’t you know how many knockouts your husband had?” His genius pitch sealed the deal as the two agreed to sell the home together. Mitchell says the farm is already drawing interest from some Notre Dame alumni, since the South Bend, Indiana university is nearby.

Courtesy of Cressy & Everett Real Estate

The farm’s secluded location is also convenient—one-and-a-half hours to Chicago, two hours to Grand Rapids, 20 minutes to South Bend, and nearby a local private airport. Mitchell believes the property’s location lends itself to an international buyer.

Muhammad Ali's former training barn later served as storage for his vast memorabilia collection. . [+] (Carol Guzy/The Washington Post via Getty Images).

Once upon a time, Ali trained for fights in a barn on the estate. After his storied career, that barn stored some of Ali's vast memorabilia collection. The retired Ali preferred working out in his newer gym which may have cost as much as $500,000 to build, according to Mitchell.

Muhammad Ali working out in 1976 before a crowd in Berrien Springs, Michigan prior to his Jimmy . [+] Young bout. (File photo)

Though Ali was slowed by Parkinson’s disease, the “Triple Crown Gym” is a central focus of the estate, featuring the main event-style Everlast boxing ring, exercise equipment, steam room, private baths, massage room, laundry and a hot tub spa.

Ali may have invested up to $500,000 adding the Triple Crown Gym to the estate.

Courtesy of Cressy & Everett Real Estate

The main event at the Ali farm was the boxing ring and gym where he trained even late in his life.

Courtesy of Cressy & Everett Real Estate

In this boxing ring Ali would spar—sometimes with his son Assad Amin Ali, even joking as if his son knocked him to the canvas (which The Champ rarely experienced during his career). Just outside the gym is a full outdoor basketball court. Heck, there’s enough farm acreage for a ballpark, gridiron, or even a large horse farm.

The estate is protected by a mile of St. Joseph river frontage and surrounding forest.

Courtesy of Cressy & Everett Real Estate

If you didn’t recognize the significance of the gym, the Ali G.O.A.T. (greatest of all time) insignia tells the full story. Adjacent to the gym, Ali’s office complex includes a conference area, mail room, vault, full kitchen, private bath, a basement and other auxiliary offices.

Muhammad Ali's office represents epicenter of the estate.

Courtesy of Cressy & Everett Real Estate

This is among the places where the deeply religious Ali would pray, work and read fan mail. The office and gym boast French doors that open scenic patios.

Ali's reserved conference table with "Ali" stained glass.

Courtesy of Cressy & Everett Real Estate

Muhammad Ali prayed at home five times a day. (Carol Guzy/The Washington Post via Getty Images)

Climate-controlled garages housed up to five cars with additional areas for Ali’s tour bus, RVs or large equipment. Original quaint barns, a contemplative gazebo, and a fire pit add charm to the grounds.

Quaint original barns are beautified with meticulous landscaping

Courtesy of Cressy & Everett Real Estate

The recently renovated swimming pool is flanked by a large patio, state-of-the-art sound system, pergola, bath house, outdoor stone fireplace, picturesque waterfall rock garden and a fully-equipped outdoor kitchen beneath a barreled rooftop.

Outdoor kitchen beneath a barreled rooftop.

Courtesy of Cressy & Everett Real Estate

Fully-equipped outdoor kitchen

Courtesy of Cressy & Everett Real Estate

“During renovation they found secret rooms under the pool from the Capone era,” says Mitchell. “That’s how the pool came to be 12 feet deep.”

The in-ground swimming pool is 12 feet deep.

Courtesy of Cressy & Everett Real Estate

From 2006, as his health deteriorated, Ali split time between his Michigan farm and his beloved hometown of Louisville. It’s safe to say his heavyweight athletic and humanitarian legacy still dominates both areas.

Courtesy of Cressy & Everett Real Estate

“He stayed under the radar but he’d walk up the street a couple of miles to get ice cream every day, says Mitchell, who conferred with Ali’s 14-year groundskeeper. “He helped build a local baseball team in Niles where his son Assad went to school. He’d help local schools and buy underprivileged kids prom tickets. He was very active in the community.”

Muhammad Ali on walk at his farm in Berrien Springs, Michigan. (Carol Guzy/The Washington Post via . [+] Getty Images).

Capone may have hung out here, but Ali’s aura forever hovers over this bucolic estate. The next owner isn’t merely purchasing a home, he/she is purchasing history. It appears Ali fans are already lining up, as usual.

I’m the über curious type. I’ve photographed Stockholm’s chromatic doors, been ripped off in Athens, and survived an overnight stay in the real Friday the 13th cabin

I’m the über curious type. I’ve photographed Stockholm’s chromatic doors, been ripped off in Athens, and survived an overnight stay in the real Friday the 13th cabin (thankfully on Thursday the 12th). Rustic isn’t my first choice but I promise to share a variety of curiosities with you—as I did for Robb Report, Town & Country, Haute Living, Veranda, Uptown and Luxury magazine readers.


'Muhammad Ali Syndrome'

With the help of statisticians, author Jonathan Eig estimated that Ali got "hit about 200,000 times" during his career, including during his 61 professional bouts, his numerous amateur bouts, during training, and through 500 exhibition rounds. About half of those punches likely struck his head. Even for someone who gets hit for a living that's a lot. But Ali intentionally made himself an in-ring punching bag during the latter years of his career, hoping to tire out opponents. It was basically what Rocky did to beat Mr. T, except Ali did it for a lot longer. "In fact," Eig explained, "he encouraged his sparring partners to hit him in the head" in a misguided effort to strengthen his cranium.

Ali's physician believed all those shots to the head had led him to Parkinson's. Unconvinced, Ali sought a second opinion from immunologist Rajko Medenica in 1988. As UPI recounted, Medenica diagnosed him with "Muhammad Ali syndrome." What's that, you ask? Because of years of exposure to household pesticides, Medenica said that Ali needed blood cleanings to rebound. Scientific research had already revealed that heavy pesticide exposure can increase the risk of contracting Parkinson's, but Medenica's treatments were likely ineffective. Less than a year later, Medenica was convicted of fraud, and until his death in 1997, he'd be hounded by lawsuits and charges of malpractice.

Regardless of what doomed Ali to his horrific illness, Ali definitely suffered the ravages of Parkinson's in later life.


This day in history, June 20: Muhammad Ali convicted in Houston of violating Selective Service laws by refusing to be drafted

Today is Sunday, June 20, the 171st day of 2021. There are 194 days left in the year. This is Father’s Day. Summer begins at 11:32 p.m. EDT.

Destaques de hoje na história:

On June 20, 1967, boxer Muhammad Ali was convicted in Houston of violating Selective Service laws by refusing to be drafted and was sentenced to five years in prison. (Ali’s conviction was ultimately overturned by the U.S. Supreme Court).

In 1782, Congress approved the Great Seal of the United States, featuring the emblem of the bald eagle.

In 1791, King Louis XVI of France and his family attempted to flee in the so-called “Flight to Varennes,” but were caught.

In 1837, Queen Victoria acceded to the British throne following the death of her uncle, King William IV.

In 1893, a jury in New Bedford, Massachusetts, found Lizzie Borden not guilty of the ax murders of her father and stepmother.

In 1921, U.S. Rep. Alice Mary Robertson, R-Okla., became the first woman to preside over a session of the House of Representatives.

In 1943, race-related rioting erupted in Detroit federal troops were sent in two days later to quell the violence that resulted in more than 30 deaths.

In 1944, during World War II, Japanese naval forces retreated in the Battle of the Philippine Sea after suffering heavy losses to the victorious American fleet.

In 1947, President Harry S. Truman vetoed the Taft-Hartley Act, which was designed to restrict the power of labor unions, but had his veto overriden by Congress. Gangster Benjamin “Bugsy” Siegel was shot dead at the Beverly Hills, California, home of his girlfriend, Virginia Hill, apparently at the order of mob associates.

In 1972, three days after the arrest of the Watergate burglars, President Richard Nixon met at the White House with his chief of staff, H.R. Haldeman the secretly made tape recording of this meeting ended up with the notorious 18½-minute gap.

In 1990, South African Black nationalist Nelson Mandela and his wife, Winnie, arrived in New York City for a ticker-tape parade in their honor as they began an eight-city U.S. tour.

In 2014, the Obama administration granted an array of new benefits to same-sex couples, including those living in states where gay marriage was against the law the new measures ranged from Social Security and veterans benefits to work leave for caring for sick spouses.

In 2019, Iran’s Revolutionary Guard shot down a U.S. surveillance drone in the Strait of Hormuz it was the first time the Islamic Republic had directly attacked the U.S. military amid tensions over the unraveling nuclear deal. A U.S. official said preparations had been made for a military strike against Iran in retaliation for the downing of the drone, but that the operation was called off with just hours to go.

Ten years ago: Syrian President Bashar Assad promised a national dialogue to consider political reforms, but his vague overtures to a pro-democracy uprising fell flat as protesters took to the streets shouting “Liar!” and demanding his ouster. “Jackass” star Ryan Dunn was killed in a fiery car crash near Philadelphia he was 34. The erotic novel “Fifty Shades of Grey” by E.L. James was published by Vintage Books.

Five years ago: Donald Trump abruptly fired campaign manager Corey Lewandowski in a dramatic shake-up designed to calm panicked Republican leaders and end an internal power struggle plaguing Trump’s White House bid. A divided U.S. Supreme Court bolstered police powers, ruling 5-3 that evidence of a crime in some cases may be used against a defendant even if the police did something wrong or illegal in obtaining it.

One year ago: At a rally in Tulsa, Oklahoma, President Donald Trump defined the election as a choice between national heritage and left-wing radicalism there were thousands of empty seats at the rally, believed to be the largest indoor event in the nation since the start of the pandemic. (Most attendees bucked the guidance of health care experts and did not wear a mask.) Six staffers helping to set up the Trump event tested positive for the coronavirus. A federal judge ruled that former national security adviser John Bolton could move forward with his tell-all book, despite efforts by the Trump administration to block the release. A standoff between the Justice Department and Manhattan U.S. Attorney Geoffrey S. Berman ended when the prosecutor agreed to leave his job with an assurance that his investigations into allies of President Donald Trump would not be disturbed. In front of an empty grandstand, Tiz the Law won the Belmont Stakes in New York the race normally marks the end of the Triple Crown series, but all three races were postponed due to the pandemic and the Belmont was run first.

Aniversários de hoje: Actor Bonnie Bartlett is 92. Actor James Tolkan is 90. Movie director Stephen Frears is 80. Singer-songwriter Brian Wilson is 79. Actor John McCook is 77. Singer Anne Murray is 76. TV personality Bob Vila is 75. Musician Andre Watts is 75. Actor Candy Clark is 74. Producer Tina Sinatra is 73. R&B singer Lionel Richie is 72. Actor John Goodman is 69. Rock musician Michael Anthony is 67. Pop musician John Taylor is 61. Rock musician Mark degli Antoni (de-glee-an-toh-nee) is 59. Christian rock musician Jerome Fontamillas (Switchfoot) is 54. Actor Nicole Kidman is 54. Country/bluegrass singer-musician Dan Tyminski is 54. Movie director Robert Rodriguez is 53. Actor Peter Paige is 52. Actor Josh Lucas is 50. Rock musician Jeordie White (AKA Twiggy Ramirez) is 50. Rock singer Chino Moreno (Deftones) is 48. Country-folk singer-songwriter Amos Lee is 44. Country singer Chuck Wicks is 42. Actor Tika Sumpter is 41. Country musician Chris Thompson (The Eli Young Band) is 41. Actor-singer Alisan Porter is 40. Christian rock musician Chris Dudley (Underoath) is 38. Rock singer Grace Potter (Grace Potter & the Nocturnals) is 38. Actor Mark Saul is 36. Actor Dreama Walker is 35. Actor Chris Mintz-Plasse (plahs) is 32. Actor Maria Lark is 24.

O jornalismo, como se costuma dizer, é o primeiro rascunho da história. Verifique novamente a cada dia o que há de novo ... e antigo.


‘The Greatest’ – Muhammad Ali’s family history

Today, the world celebrates the 70th birthday of the first and only three-time consecutive World Heavyweight Champion Muhammad Ali (born Cassius Marcellus Clay, Jr.).

In celebration of Muhammad Ali’s extraordinary journey, MyHeritage decided to build his family tree and share his family and personal history.

Muhammad is a descendant of pre-Civil War era American slaves in the American South, and is predominantly of African-American descent, with some Irish and English ancestry.

His Irish ancestry was uncovered through research revealing his descent from a man who lived in the town of Ennis, in County Clare, Ireland.

Abe Grady – great-grandfather to Muhammad Ali – appears to have rented a “house and small garden” in Ennis in 1855 and later decided to move across the pond to the southern US state of Kentucky.

There, Abe met and later married an African-American woman who – according to officials at the County Clare Heritage Centre – gave birth to Muhammad Ali’s grandfather, John Grady.

View Muhammad Ali’s family tree clicking on the image below:

Muhammad Ali's family tree, click to view.

In September 2009, Muhammad Ali visited Ireland and received an emotional reception from Ennis, his great-grandfather’s hometown.

Welcome: Muhammad Ali with his wife Lonnie (right) and daughter Hana (left) are greeted by a huge crowd. (Credit: www.dailymail.co.uk)


The Spiritual Father of Rap

Though he came to prominence over a decade before hip-hop music began germinating in the South Bronx, one of Ali’s most unsung and enduring legacies is as a spiritual father of rap. Dubbed “The Louisville Lip,” Ali brought the playful trash-talking of African-American traditions like “the Dozens” out from playgrounds and street corners and into the mainstream. Boasting considerable freestyle skills, Ali’s early media appearances featured him holding court with the rhymes, flow, and braggadocio that would one day become typical of old school MCs like Run DMC and LL Cool J. Watch pre-Liston-fight footage of Ali cavorting with his cornerman Bundini Brown, and you’ll see an incandescent free spirit who&rsquos like Public Enemy’s Chuck D and Flava Flav wrapped up in one package, a revolutionary griot and signifying prankster: “Who would have thought when they came to the fight,” went one metered missive, “That they’d witness the launching of a black satellite? / Yes the crowd did not dream / When they put up the money / That they would see a total eclipse of the Sonny.”

With his embrace of whimsical poesy, Ali brought a touch of gentility to the most brutal of athletic pursuits. As he aged, he grew more wistful, and his non-rhymed pronouncements often took the form of inspirational epigrams, such as “A man who views the world the same at 50 as he did at 20 has wasted 30 years of his life.” Despite his relative silence over the last three decades as Parkinson’s disease robbed him of his quicksilver tongue, he remained a powerful example for future generations of rappers, the shadow senator of the Hip Hop Nation. Ali’s outsized ego foreshadowed the vainglorious excesses of Kanye West, while his Afrocentric consciousness and cutting honesty pointed forward to modern bards like Rakim, Nas, Jay-Z, and Kendrick Lamar. (Not to mention that the Champ’s rivalry with Joe Frazier was an epic beef for the ages.) Over 50 years since he first shook up the world, Ali&rsquos presence remains at the heart of hip-hop, a philosopher and poet hiding behind the fierce countenance of a warrior.

[Editor’s note: a version of this story was originally published June 2016]

We remember Muhammad Ali in his own words of wisdom and bravado. Watch here.

List of site sources >>>


Assista o vídeo: One of the Last Workouts - Legend of Boxing Muhammad Ali!!! (Janeiro 2022).