Podcasts de história

10 coisas que você pode não saber sobre Bonnie e Clyde

10 coisas que você pode não saber sobre Bonnie e Clyde


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

1. Bonnie morreu usando uma aliança de casamento - mas não era a de Clyde.

Seis dias antes de completar 16 anos, Bonnie se casou com o colega de classe Roy Thornton. O casamento se desintegrou em poucos meses, e Bonnie nunca mais viu seu marido depois que ele foi preso por roubo em 1929. Logo depois, Bonnie conheceu Clyde, e embora o casal tenha se apaixonado, ela nunca se divorciou de Thornton. No dia em que Bonnie e Clyde foram mortos em 1934, ela ainda usava a aliança de casamento de Thornton e tinha uma tatuagem na parte interna da coxa direita com dois corações interconectados identificados como "Bonnie" e "Roy".

2. Bonnie escreveu poesia.

Durante seus dias de escola, Bonnie se destacou em escrita criativa e versos de escrita. Enquanto estava presa em 1932 após um roubo fracassado em uma loja de ferragens, ela escreveu uma coleção de 10 odes que intitulou "Poesia do Outro Lado da Vida", que incluía "A História do Suicídio Sal", um poema sobre uma inocente camponesa atraída por seu namorado em uma vida um crime. Duas semanas antes de sua morte, Bonnie deu um poema presciente para sua mãe, intitulado "O fim da trilha", que terminava com o verso:

Algum dia eles vão descer juntos;
E eles vão enterrá-los lado a lado,
Para alguns, será tristeza -
Para a lei, um alívio -
Mas é a morte de Bonnie e Clyde.

3. A Marinha rejeitou Clyde.

Quando adolescente, Clyde tentou se alistar na Marinha dos Estados Unidos, mas os efeitos prolongados de uma doença grave de infância, possivelmente malária ou febre amarela, resultaram em sua rejeição médica. Foi um golpe duro para Clyde, que já havia tatuado “USN” no braço esquerdo.

4. A primeira prisão de Clyde foi por não devolver um carro alugado.

O famoso criminoso foi preso pela primeira vez em 1926 por roubo de automóvel, após não devolver um carro que havia alugado em Dallas para visitar uma namorada afastada do colégio. A locadora de veículos retirou as acusações, mas o incidente permaneceu no registro de prisão de Clyde. Apenas três semanas depois, ele foi preso novamente ao lado de seu irmão mais velho, Ivan “Buck” Barrow, por um crime ainda mais ridículo - posse de um caminhão de perus roubados.

LEIA MAIS: Bonnie não era a única cúmplice feminina de Clyde

5. Os assaltos a bancos não eram sua especialidade.

Embora muitas vezes descritos como Robin Hoods da era da Depressão que roubaram de instituições financeiras ricas e poderosas, Bonnie e Clyde encenaram muito mais assaltos a postos de gasolina familiares e mercearias do que assaltos a bancos. Muitas vezes, seu saque chegava a apenas $ 5 ou $ 10.

6. Clyde decepou dois dedos dos pés na prisão.

Enquanto cumpria uma sentença de 14 anos no Texas por roubo e roubo de automóvel em janeiro de 1932, Clyde decidiu que não poderia mais suportar o trabalho implacável e as condições brutais na notoriamente difícil Eastham Prison Farm. Na esperança de forçar uma transferência para uma instalação menos severa, Clyde cortou seu dedão do pé esquerdo e uma parte do segundo dedo do pé com um machado, embora não se saiba se ele ou outro prisioneiro empunhou o instrumento afiado. A automutilação, que prejudicou permanentemente sua caminhada e o impediu de usar sapatos enquanto dirigia, acabou se revelando desnecessária, pois ele foi libertado em liberdade condicional seis dias depois.

7. Bonnie mancava após um acidente de carro.

Na noite de 10 de junho de 1933, Clyde, com Bonnie no banco do passageiro, estava acelerando pelas estradas rurais do norte do Texas tão rapidamente que perdeu uma placa de desvio avisando sobre uma ponte em construção. O Ford V-8 da dupla quebrou uma barricada a 70 milhas por hora e voou pelo ar antes de pousar no leito de um rio seco. Ácido escaldante derramou da bateria do carro destruída e queimou gravemente a perna direita de Bonnie, corroendo sua carne até o osso em alguns lugares. Como resultado das queimaduras de terceiro grau, Bonnie, como Clyde, mancou acentuadamente pelo resto de sua vida, e tinha tanta dificuldade para andar que às vezes pulava ou precisava de Clyde para carregá-la.

8. Caçadores de lembranças tentaram cortar partes de Bonnie e Clyde no local de suas mortes.

Em 23 de maio de 1934, um destacamento de seis homens liderado pelo ex-capitão do Texas Ranger Frank Hamer emboscou Bonnie e Clyde e injetou mais de 130 balas com jaqueta de aço em seu Ford V-8 roubado fora de Sailes, Louisiana. Depois de dezenas de roubos e 13 assassinatos em seu nome, a onda de crimes de Bonnie e Clyde finalmente chegou ao fim. Com a fumaça acre ainda pairando no ar, gawkers desceram sobre o local da emboscada e tentaram sair com suvenires macabros dos corpos dos bandidos ainda caídos no banco da frente. De acordo com o livro de Jeff Guinn Descer juntos, um homem tentou cortar a orelha de Clyde com um canivete e outro tentou cortar seu dedo no gatilho antes que os homens da lei intervissem. Uma pessoa na multidão, no entanto, conseguiu cortar mechas do cabelo de Bonnie e faixas de seu vestido encharcado de sangue.

LEIA MAIS: Último dia vivo de Bonnie e Clyde

9. Seu “carro da morte” crivado de balas está em exibição em um cassino.

Após a emboscada de Bonnie e Clyde, um xerife de Louisiana que era membro do grupo de seis homens de Hamer reivindicou o Ford V-8 sedan marcado, ainda coberto com o sangue e tecido dos bandidos. Um juiz federal, entretanto, determinou que o automóvel roubado por Bonnie e Clyde deveria retornar para sua ex-dona, Ruth Warren, de Topeka, Kansas. Warren alugou e acabou vendendo o carro para Charles Stanley, um palestrante anti-crime que percorreu feiras com o “carro da morte” e as mães de Bonnie e Clyde a reboque como atrações secundárias. Ainda salpicado de buracos de bala, o "carro da morte" agora é uma atração no saguão do Whiskey Pete's Casino em Primm, Nevada, uma pequena cidade turística na fronteira com a Califórnia a 64 quilômetros ao sul de Las Vegas.

10. Bonnie e Clyde foram enterrados separadamente.

Embora ligados em vida, Bonnie e Clyde foram separados na morte. Enquanto a dupla desejava ser enterrada lado a lado, a mãe de Bonnie, que desaprovava seu relacionamento com Clyde, enterrou sua filha em um cemitério separado de Dallas. Clyde foi enterrado ao lado de seu irmão Marvin sob uma lápide com seu epitáfio escolhido a dedo: "Desaparecido, mas não esquecido."


18 coisas que você provavelmente não sabia sobre Bonnie e # 038 Clyde

Em 23 de maio de 1934, as pessoas se reuniram em torno de um Ford Deluxe roubado que acabara de ser crivado de balas perto de Bienville Parish, Louisiana.

Cobertos de sangue e dentro estavam os corpos dos bandidos Bonnie e Clyde.

No início de 1932, a dupla começou uma onda de crimes que chamou a atenção de agentes federais depois que eles conseguiram escapar da polícia em Louisiana, Texas e Novo México.

Analisamos mais de perto esse casal infame e revelamos 10 coisas que você provavelmente não sabia!

Continua na página 2


Início da vida: Bonnie

Bonnie Parker nasceu em 1º de outubro de 1910, em Rowena, Texas, a segunda de três filhos de Henry e Emma Parker. A família vivia confortavelmente do trabalho de seu pai como pedreiro, mas quando ele morreu inesperadamente em 1914, Emma mudou-se com a família para Cement City, Texas (agora parte de Dallas). Bonnie Parker era linda, pesava 4 pés-11 e 90 libras. Ela se saiu bem na escola e adorava escrever poesia.

Bonnie largou a escola aos 16 anos e se casou com Roy Thornton. O casamento não foi feliz e Thornton começou a passar mais tempo longe de casa. Em 1929, ele foi acusado de roubo e condenado a cinco anos de prisão. Eles nunca se divorciaram.

Enquanto Roy estava fora, Bonnie trabalhava como garçonete, mas estava desempregada quando a Grande Depressão começou no final de 1929.


10 fatos surpreendentes que você não sabia sobre Bonnie e Clyde

Morrendo jovem em uma saraivada de balas em 1934, Bonnie Parker e Clyde Barrow são lendários por sua personalidade jovem de Robin Hood enquanto roubavam seu caminho pelos Estados Unidos durante a Grande Depressão. Os dois foram reintroduzidos a uma nova geração no filme de Arthur Penn & rsquos 1967 Bonnie e Clyde, interpretado por Warren Beatty e Faye Dunaway. O filme retratou a dupla criminosa como anti-heróis da contracultura e a percepção de mdasha que & rsquos dominou sua história desde então. Agora, Netflix e novo filme rsquos Os assaltantes, transmitido em 29 de março, tenta perfurar essa aura de legal voltando os holofotes para os homens da lei que levaram o casal à justiça.

Embora o fascínio de Bonnie e Clyde esteja centrado em sua história de amor malfadada, esse não é o quadro completo. Aqui estão 10 coisas que você provavelmente não sabia sobre a vida real de Bonnie e Clyde.

As prisões antecipadas de Clyde e rsquos foram inofensivas

Clyde foi o quinto de sete filhos de uma família de agricultores pobres no sudeste de Dallas, Texas. Como o historiador Jeff Guinn relata em Descam Juntos: A Verdadeira e Não Contada História de Bonnie e Clyde, Clyde, de 17 anos, foi preso pela primeira vez por roubo após não devolver um carro alugado a tempo. A empresa recuperou o carro e se recusou a prestar queixa, mas apenas três semanas depois, Clyde foi convencido por seu irmão a pegar um caminhão de perus. Os perus, por sua vez, foram roubados e os dois irmãos foram presos. Clyde não foi para a prisão & mdash naquela época, pelo menos & mdash, mas o incidente lhe rendeu uma reputação.

Dois dedos do pé de Clyde & rsquos foram decepados na prisão

Eventualmente, Clyde foi para a prisão, e a família e outros prisioneiros disseram que isso o mudou & ldquode um estudante a uma cascavel, & rdquo como um amigo explicou. De acordo com Guinn, Clyde cometeu seu primeiro assassinato enquanto estava na prisão usando um cano de chumbo para atacar um preso que o agrediu sexualmente. No entanto, outro prisioneiro, que cumpria pena de prisão perpétua, assumiu a culpa. Mais tarde, para evitar o trabalho de campo obrigatório, Clyde teve seu dedão do pé esquerdo e parte do segundo dedo decepado.

Bonnie era casada & ndash mas não com Clyde

Como Clyde, Bonnie cresceu pobre em uma pequena cidade do Texas. Uma semana antes de seu aniversário de 16 anos, ela se casou Roy Thornton, que frequentemente entrava e saía da prisão. Bonnie até fez uma tatuagem na coxa, um par de corações vermelhos com os rótulos & ldquoBonnie & rdquo e & ldquoRoy. & Rdquo O casamento fracassou logo depois, mas o casal nunca se divorciou.

O casal se apaixonou à primeira vista

As histórias sobre como Bonnie e Clyde se conheceram variam. Um relato da família Parker escrito após sua morte diz que Clyde visitou a casa de uma amiga e rsquos enquanto Bonnie fazia chocolate quente na cozinha, outros dizem que se conheceram em uma festa. Mas quase todos concordam que eles eram inseparáveis ​​desde o início. Como um membro de sua gangue colocá-lo, & ldquoBonnie era como Clyde. Eles tinham coragem. Eles pretendiam ficar livres ou morrer juntos. & Rdquo

Bonnie e Clyde não gostavam de roubar bancos

Bonnie, Clyde e seus associados fizeram um Feitiço do crime do verão de 1932 até a primavera de 1934, portanto, eles costumam ser associados a outros bandidos famosos da época, como o ladrão de banco John Dillinger. Mas a gangue Barrow & mdashClyde era o líder indiscutível & mdash considerava roubar bancos um problema demais. Em vez disso, eles visaram lojas e postos de gasolina, que eram menos arriscados. Isso também significa que eles não acumularam grandes somas de dinheiro e recorreram à abertura máquinas de chicletes para troco extra, Smithsonian relatado.

Bonnie não era uma assassina fumadora de charutos e armada em punho

Segundo todos os relatos, Bonnie estava apaixonada por Clyde e presente na maioria dos crimes de gangue. Jornais impressos fotos chamativas dela posando para a câmera com uma arma e charuto, mas um membro de gangue mais tarde disse era tudo para mostrar. Bonnie nunca realmente disparou uma arma ou mesmo fumou cigarros. De acordo com o FBI arquivosBonnie era uma cúmplice voluntária e não uma assassina.

A gangue de Bonnie e Clyde só matou quando necessário

Bonnie e Clyde foram mortos pela polícia, então não há confirmação de quantas pessoas eles assassinaram. Os historiadores sugerem que os dois são responsáveis ​​por 12 ou 13 mortes, enquanto o FBI diz “Pelo menos uma dúzia.” Essas mortes geralmente aconteciam quando a gangue Barrow era confrontada pela polícia ou precisava atirar para escapar de um assalto.

Bonnie se feriu em um acidente de carro enquanto fugia

Depois de mais de um ano sendo perseguido pela polícia, Clyde perdeu uma placa de aviso de construção de ponte enquanto dirigia no Texas. O carro entrou em uma ravina e Bonnie ficou gravemente queimada. & ldquoShe foi tão queimado que nenhum de nós pensou que ela ia viver & rdquo um membro de gangue depois disse, de acordo com Cinetropic. Ela sobreviveu, mas mal conseguiu andar pelo resto de sua vida.

A fuga da prisão de Clyde foi alimentada por vingança

Clyde cumpriu pena no Texas & rsquos Eastham Prison Farm & mdash conhecido como & ldquoBloody Eastham& rdquo por suas condições cruéis. Em 1934, perto do fim da corrida de gangs & rsquos Barrow, a tripulação voltou a Eastham para uma fuga da prisão. Historiador John Neal Phillips reivindicado Clyde buscou vingança no sistema prisional do Texas.

Bonnie e Clyde sabiam que estavam condenados

Bonnie escreveu poemas muito antes de conhecer Clyde e continuou a anotar versos enquanto fugia. Os poemas são uma janela reveladora para os pensamentos de uma mulher que previu sua própria condenação, como evidenciado em & ldquoO fim da linha. & rdquo


Dez coisas que você pode não saber sobre Burbank

(Foto de Karol Franks por meio do pool de fotos em destaque da LAist no Flickr)

Comece o seu dia com LAist

Tanto quanto qualquer bairro de Los Angeles, Burbank é definido pelas indústrias que passaram por suas portas. O nome da cidade é uma homenagem a David Burbank, um dentista que viajou para o oeste em meados de 1800 com a intenção de comprar terras e criar ovelhas. Homem de negócios astuto, Burbank facilitaria a construção de linhas ferroviárias para o bairro, o que, por sua vez, estabeleceu a área como um centro notável. As indústrias de aviação e entretenimento, possivelmente atraídas pela grande expansão do espaço, viriam mais tarde nos anos 1920 e 1930.

Em outras palavras, Burbank significa negócios. É uma cidade onde as pessoas trabalham e vivem, e menos considerada um destino movimentado (a menos que você esteja gravando The Ellen DeGeneres Show) Isso não significa que sua história seja entediante. Aqui, abordamos algumas das curiosidades interessantes sobre a cidade que você veio a conhecer (um pouco) através da Disney e The Tonight Show.


Uma foto de 1936 de Amelia Earhart na cabine de seu avião Lockheed Electra em Burbank, Califórnia. (Foto cortesia de Purdue University Libraries / George Palmer Putnam Collection of Amelia Earhart Papers)
O avião perdido de Amelia Earhart foi construído aqui

A história de Burbank com a aviação começou em 1928, quando a Lockheed Aircraft Company (agora conhecida como Lockheed Martin) mudou suas instalações para o bairro. A empresa sofreria um grande golpe com a Grande Depressão, mas voltou a crescer quando a Segunda Guerra Mundial chegou. Durante a guerra, a empresa empregava até 94.000 trabalhadores, o que consequentemente se traduziu em um boom de residentes de 1920 a 1940, a população saltou de cerca de 3.000 para 34.000.

Como uma das capitais da aviação dos EUA, Burbank está ligada a uma série de momentos históricos da história dos voos. Algumas das instalações de aeronaves de Howard Hughes eram baseadas em Burbank, e o galavrante germófobo faria uma série de decolagens ousadas da cidade. Em uma de suas viagens mais famosas, ele estabeleceu o recorde transcontinental dos EUA voando de Burbank para Newark, New Jersey, em 7 horas, 28 minutos e 25 segundos.

A conexão de Amelia Earhart com Burbank, por outro lado, está mais alinhada com a tragédia. Em sua tentativa de fazer um voo histórico ao redor do mundo, ela voou em um Lockheed Electra 10E customizado que foi construído em uma instalação de Burbank. O avião, é claro, foi perdido durante a segunda tentativa de Earhart de completar a viagem (a primeira foi abortada devido a falhas mecânicas). Em 1991, um pedaço de metal do avião foi descoberto (e posteriormente identificado) no Atol Nikumaroro, na porção oeste do Oceano Pacífico.


Funcionários da Lockheed sob a cobertura de camuflagem. (Foto cortesia de Lockheed Martin)
Era o local de um projeto de camuflagem insano (e aparentemente bem-sucedido)

Por falar na Lockheed, a empresa se envolveu com uma das histórias mais bizarras da Segunda Guerra Mundial.

Conforme relatado no site da empresa, o ataque a Pearl Harbor levou a empresa a pensar em ideias para proteger sua fábrica em Burbank. O trabalho coube a um coronel chamado John F. Ohmer, que teve a ideia de disfarçar as instalações para que os pilotos inimigos, voando por cima, confundissem com um subúrbio californiano comum.

Em seu empreendimento, Ohmer contratou artistas e cenógrafos dos estúdios próximos da Disney e da 20th Century Fox. O projeto envolveu uma série de artifícios artificiais - por exemplo, árvores falsas com penas pintadas com spray como folhas. A peça de trapaça mais proeminente, no entanto, era um dossel maciço que foi pintado para se assemelhar a um quadro suburbano. Depois que a cobertura foi pintada e esticada sobre as instalações (partes das quais mais tarde se tornariam o Aeroporto Bob Hope), Ohmer convidou um general do Departamento de Guerra para fazer um sobrevoo para identificar a localização da fábrica. O general não conseguiu encontrar.


Walt Disney Studios em Burbank em 1958. (Foto cortesia da coleção de fotos da Biblioteca Pública de Los Angeles)
Poderia ter sido o lar da Disneylândia e da UCLA

Anaheim está intimamente ligada à Disneylândia. E Westwood é sinônimo de UCLA. Há uma realidade alternativa, no entanto, em que Burbank seria o lar da Mansão Assombrada e do Pavilhão Pauley.

Na década de 1950, Walt Disney ponderou sobre a ideia de construir seu futuro parque temático no bairro. Ele pretendia ambientá-lo na Riverside Drive, bem ao lado do estúdio da empresa em Burbank, e até mesmo encomendou uma obra de arte conceitual para o parque. Uma série de ideias, incluindo a "Skull Rock", sobreviveria à transição para Anaheim . O projeto Burbank não era para ser, no entanto. Por um lado, a Disney enfrentou oposição ferrenha dos vereadores da cidade, que lhe disseram em 1952 que "não querem a atmosfera carinhosa de Burbank". A Disneylândia e seus carrancudos carnys seriam mais tarde revelados em Anaheim em 1955.

Antes da gênese da Disneylândia, a UCLA teve seu próprio flerte com Burbank. A universidade teve seu início em 1919, quando um projeto de lei exigia que uma segunda filial do sistema educacional da Universidade da Califórnia fosse construída em Southland (Berkeley abrigava a primeira filial). Havia uma questão de onde a universidade seria construída, exatamente, e por um tempo os planejadores consideraram a área de Benmar Hills em Burbank. O desenvolvedor Ben W. Marks, que humildemente nomeou Benmar com seu próprio nome (ele deixou de fora o "k"), fez lobby para que a escola fosse erguida em suas terras. Seus planos fracassaram quando a Janss Investment Corp., uma empresa de desenvolvimento, doou 385 acres de Westwood para a universidade. A construção do novo campus da UCLA começou em 1927.


A "Andorinha Aérea". (Foto cortesia das Bibliotecas da University of Southern California e da California Historical Society)
Foi o local de uma ideia real (e falhada) de monotrilho

Desde o "Spruce Goose" até o recente "straddling bus" na China, há algo sobre as falhas de transporte que atingem um certo tom de hilaridade. Talvez seja a mistura de desperdício financeiro e engenhosidade humana. Nada é mais indicativo de nossa arrogância do que uma aeronave gigante que não consegue decolar. Um dos bustos mais ridicularizados é o monotrilho fictício de Simpsons lore. "Marge vs. the Monorail" - um episódio escrito por Conan O'Brien - girava em torno, sim, de um monotrilho com freios seriamente defeituosos. Era uma obra de ficção, mas foi baseada em uma contraparte da vida real em Burbank?

A partir de 1910, Burbank foi o lar do breve caso de amor de L.A. com o monotrilho. O fazendeiro / inventor Joseph Fawkes projetou um carrinho elétrico que ele batizou de "Andorinha Aérea". A engenhoca foi suspensa em um trilho de ferro suspenso, equilibrado por um giroscópio, e usou uma hélice para fazer sua distância através do terreno, de acordo com LA Mag. Fawkes disse que o bonde pode chegar a velocidades de 240 km / h e construiu uma pista de teste de 840 pés de comprimento em Burbank para sustentar suas afirmações. Os testes, no entanto, não impressionaram, e o Aerial Swallow foi rebatizado de "Fawkes’ Folly ", pois estava ocioso na propriedade de Fawkes.

A primeira linha ferroviária do Valley passou por Burbank

O monotrilho pode ter sido um fracasso, mas deve-se notar que o crescimento de Burbank está relacionado, em vários graus, com a disseminação do trânsito ferroviário. Por um lado, os residentes haviam ignorado a ideia de Fawkes de dar as boas-vindas a uma nova linha de bonde que era administrada pela lendária Pacific Electric Railway Company, que a certa altura administrou a maior rede de transporte ferroviário urbano em L.A. (e em todos os EUA). O primeiro bonde da Pacific Electric chegou a Burbank em 1911, e a linha permaneceu em operação até 1955.

Antes disso, um pouco antes da virada do século 20, a empresa Southern Pacific Railroad fez trilhos para estabelecer sua filial em Burbank, a primeira linha ferroviária a percorrer o Vale. Logo depois, as empresas ferroviárias do Pacífico Sul e de Santa Fé iniciariam uma guerra de tarifas para ver quem chegaria às tarifas mais baixas. A certa altura, uma viagem de trem de Kansas City para L.A. foi anunciada como custando um dólar. As taxas absurdamente baixas deram início a uma nova onda de pessoas em L.A. e acredita-se que tenham contribuído para o crescimento de Burbank no início do século XX.

Johnny Carson abandonou muito Burbank

Hollywood, sendo o rosto da indústria do cinema, há muito tempo lança uma sombra sobre o lugar de Burbank na história do entretenimento. A verdade é que, na década de 1960, Burbank abrigava a Warner Bros., a Columbia Pictures, os Walt Disney Studios e a sede da NBC na costa oeste. Casablanca, Meio dia, e Bonnie e Clyde (entre muitos outros) foram filmados nas instalações de Burbank de propriedade da Warner Bros. Os locais públicos também foram reaproveitados para filmagens: o Safari Inn local, com sua fachada chique-kitsch, serviu como um substituto para os mais visíveis da América motel à beira da estrada (ambos Apollo 13 e Romance verdadeiro tinha aparecido para fotos).

The Tonight Show, televisionado dos estúdios da NBC, foi um dos produtos mais proeminentes saídos de Burbank. Embora Burbank abrigasse a gravação, os inquilinos não ficaram muito entusiasmados com o fato. Todas as noites, o rude companheiro Ed McMahon dava início ao show com "Frooom Hollywood!" E se isso não fosse um insulto o suficiente, Johnny Carson tinha uma piada constante de atirar em Burbank, retratando-o como o Jan de Márcia de Hollywood. Em um episódio de 1983, Carson disse: “Sei que muitos de vocês são de fora da cidade. E de vez em quando tento apontar coisas de interesse para promover Burbank ”, ao que o público respondeu com risadas cúmplices. Carson então cita, entre outras coisas, um inventor fictício que cruzou uma galinha com um bicho-da-seda e um restaurante italiano que apregoa um "toque de Newark".

Burbank, no entanto, parece ter levado tudo na esportiva - a cidade batizou um parque em sua homenagem, e chegou a erguer um pequeno monumento em homenagem a Johnny.


O outro Mickey de Burbank. (Foto dos Arquivos Nacionais / imagens Getty)
Mickey Cohen administrou um cassino dentro de um estábulo de cavalos em Burbank

Burbank pode ser designada como uma das cidades mais seguras da América pelo Business Insider. Mas houve um tempo em que era o cenário de um romance de boiler, repleto de mafiosos notórios, policiais desonestos e antros de jogos escondidos.

Uma edição de 1956 da Coronet Magazine listava uma galeria de malandros que havia se instalado em Burbank:

Isso mesmo, Mickey Cohen, talvez a conexão mais famosa de L.A. com o sindicato do crime, dirigia um cassino subterrâneo em Burbank. Localizava-se na Dincara Stock Farm, um estábulo de cavalos na Rua Mariposa com a Riverside Drive. Em 1948, o detetive de Burbank Harry Strickland liderou uma invasão na propriedade e descobriu evidências de jogos ilegais. A apreensão ajudaria a lançar luz sobre uma rede de corrupção que assolava a bela cidade de Burbank. Elmer Adams, o então chefe de polícia, foi mais tarde considerado por uma investigação do grande júri como tendo recebido recompensas de gângsteres que ele teria comprado um iate de 56 pés (a maioria com dinheiro), embora vivesse com um salário modesto. Além disso, um vereador e o administrador da cidade renunciavam abruptamente de seus cargos, levantando mais suspeitas de corrupção nas áreas superiores.

Mais tarde, Strickland fundou a Sociedade Histórica de Burbank em 1973.

Foi uma das primeiras cidades de Southland a reprimir o fumo em público

Os fumantes podem sentir como se estivessem sendo espremidos, e por um bom motivo. O Condado de L.A. viu uma onda de ordenanças antifumo tomar forma na última década ou mais. Em Los Angeles, West Hollywood, Beverly Hills e outros, é proibido fumar nos restaurantes e nos arredores. L.A. ainda tem uma regra especificando que você não pode fumar a menos de 12 metros de um food truck. Em 2013, a UCLA não apenas proibiu os cigarros de seu campus, mas também todas as formas de tabaco.

Quer você seja a favor ou contra a proibição, você deve agradecer a Burbank por ajudar a iniciar a tendência. Em 2007, ela se tornou a terceira cidade no sul da Califórnia a proibir o fumo em público (Santa Monica e Calabasas foram as primeiras a fazer a festa). O conselho municipal votou para não fumar em todas as áreas de propriedade da cidade, incluindo parques, bibliotecas, prefeitura e praticamente todo o centro da cidade. Os cigarros também são proibidos em restaurantes e “áreas de serviço” onde quaisquer bens ou serviços são trocados, isto significa máquinas ATM, quiosques de informação e lava-rápidos. Fale sobre completo. Aparentemente, um dos poucos lugares onde você posso há fumaça em um campo de golfe (embora não no driving range).


Assine fora da barra do The Blue Room. (Via The Blue Room / Facebook)
Tem muitos sinais antigos (e bonitos)

Dirija por Burbank e você terá a sensação de que partes do bairro estão congeladas na história. Há apenas algo que remete à época dos batidos maltados e Meus três filhos. Talvez nada seja mais representativo disso do que o bando de placas vintage de lojas no bairro. Há a placa imponente pendurada do lado de fora do bar The Blue Room, e as letras distintas que pairam sobre o restaurante The Smoke House e o logotipo inspirado no Googie do Lakeside Car Wash. Até placas com cartões de visita indistintos para "florista" ou "chapéus ”Ou simplesmente“ reparos ”, tenha um design limpo e elegante.

A sinalização é uma peça tão proeminente de Burbank que, em 2014, a cidade ordenou que uma “Pesquisa de Sinalização Histórica” fosse realizada por um empreiteiro. O objetivo era destacar a sinalização com mais de 45 anos e desenvolver uma portaria que incentivasse os proprietários a manter a sinalização histórica.

O estudo determinou que existem 79 placas consideradas históricas. E os pesquisadores disseram que um grande número de placas foi construído durante a Segunda Guerra Mundial, quando o sucesso da indústria da aviação deu início a um boom do comércio. Como tal, você pode argumentar que os sinais são mais do que um colírio para os olhos, eles também são emblemáticos do apogeu de Burbank como um bairro em expansão.


Os Arnolds na frente de sua casa. (Via YouTube)
Este foi o capuz de Kevin Arnold

Fora de sua coleção de estúdios de cinema, a própria Burbank também foi usada como local de filmagem. E foi Os anos maravilhosos, talvez, o que melhor capturou o subúrbio pitoresco que permeia o bairro.

Kevin Arnold (protagonista do bildungsroman favorito da TV do horário nobre) atingiu a maioridade nas ruas mesquinhas de Burbank, e sua casa pode ser encontrada no cruzamento da University Avenue com a 6th Street, de acordo com LA Mag.

Estranhamente, parece que todo o Anos maravilhosos universo ocorrera em torno da University Avenue. A casa de Winnie Cooper fica bem em frente à casa dos Arnolds e, quando ela "se mudou" para um novo apartamento que supostamente ficava a quilômetros de distância, ela na verdade fixou residência em uma casa que ficava logo depois da esquina da Tufts Avenue. O melhor amigo do kevin Marilyn Manson Paul também morava em casas próximas na University and Tufts. Estranhamente, no episódio piloto, o interior da casa de Arnold era na verdade o interior da (o que mais tarde seria) a "casa" de Paul na Universidade. O mesmo interior foi recriado em um set de filmagem, e isso foi usado em episódios posteriores ao piloto.

É o fachada da casa de Arnold, no entanto, isso é tão familiar para nós. Com seu gramado bem cuidado, planta baixa e cesta de basquete, a casa dos Arnolds foi gravada em nossas mentes como um símbolo da cultura americana.


Bonnie morreu casada & # x2013, mas não para Clyde

Não é geralmente conhecido o fato de que Bonnie se casou quando tinha 16 anos. O nome de seu marido era Roy Thornton, e ele era um belo colega de classe em sua escola em Dallas. A decisão de se casar não foi difícil para a jovem fazer com que seu pai estivesse morto, sua mãe trabalhava duro em uma fábrica e a própria Bonnie tinha poucas perspectivas de fazer muito mais que servir mesas ou trabalhar como empregada doméstica. O casamento parecia uma saída.

O casamento foi um desastre. Sem o conhecimento de Bonnie, Roy era um ladrão e um trapaceiro, que ela se referiu a ele mais tarde como um & # x201Marido intrigado com uma mente errante. & # X201D Ele desaparecia por longos períodos de tempo e, quando voltasse, estaria bêbado e abusava. Bonnie começou a dormir com sua mãe & # x2019s. Eventualmente, um dos esquemas de Roy & # x2019s saiu pela culatra, e ele acabou com uma sentença de cinco anos por roubo. Ele ainda estava na prisão quando soube da morte de sua esposa na companhia de Clyde Barrow.

Bonnie morreu com sua aliança de casamento ainda em seu dedo. O divórcio não era realmente uma opção para um fugitivo conhecido.


Clyde Barrow

Clyde Barrow nasceu no condado de Ellis, Texas - apenas um condado de Dallas. Os Barrow eram uma família pobre de agricultores da pequena cidade de Telico. A família mudou-se para West Dallas no início dos anos 1920, uma das muitas famílias de agricultores pobres que vieram para a cidade. Eles passaram os primeiros meses vivendo sob uma carroça em West Dallas até que o pai de Clyde adquiriu uma barraca.

Clyde supostamente queria ingressar na Marinha, mesmo tendo USN tatuado em seu braço direito, mas foi rejeitado devido aos efeitos de uma doença infantil. Barrow foi preso pela primeira vez aos 16 anos, porque não devolveu o carro alugado a tempo. A segunda vez foi apenas algumas semanas depois, por roubar perus. O site do FBI, FBI.gov, diz que Clyde foi preso por um roubo, mas ele escapou usando uma arma que Bonnie havia contrabandeado para ele. Em 1930, Clyde estava em Eastham Prison Farm fora de Houston. Ele foi abusado sexualmente lá e cometeria seu primeiro assassinato na prisão, embora um outro preso assumisse a responsabilidade pelo crime.

Barrow odiava Eastham e queria sair. Ele odiava o trabalho árduo que tinha que fazer lá. Ele odiava tanto que recorreu a medidas drásticas para sair do trabalho. Usando um machado, ele cortou o dedão e parte do segundo dedo do pé (não se sabe se ele teve ajuda ou fez isso sozinho). Sem o conhecimento de Clyde, sua mãe havia pedido sua libertação e foi de fato capaz de libertá-lo da prisão apenas 6 dias após o ferimento autoinfligido.

Barrow entrou no sistema prisional com apenas 16 anos e isso o mudou. Sua irmã Marie disse “algo terrível deve ter acontecido com ele na prisão porque ele não era a mesma pessoa quando saiu”. Fellow inmate Ralph Fults said prison changed Clyde “from a schoolboy to a rattlesnake.” Many agree that his time in Eastham made Clyde angry at the Texas prison system and if the U.S. Navy story is accurate, his hatred for the U.S. Government in general. Whatever it was, it was serious, and Clyde intended to make someone pay.


10 things to know about DPS troopers on their 80th anniversary this week

1 of 38 1. State troopers are just one of 15 branches in the Texas Department of Public Safety, according to a spokeswoman for the Texas DPS. All state troopers act as Highway Patrol, who enforce the law on the rural highways of Texas. There are six levels of state troopers: Trooper I-VI. Texas Department of Public Safety Show More Show Less

2 of 38 2. Just because troopers are highway patrolmen doesn't mean their work stops on the road. Troopers also participate in special operations, such as patrolling the Texas-Mexico border. According to the DPS website, troopers helped with "Operation Border Star" along the border to help curb drug and human smuggling. ERIC GAY/New York Times Show More Show Less

4 of 38 3. Troopers were first established as the Texas Highway Motor Patrol in 1929, six years before the Texas Department of Public Safety began. These early troopers were one of the first law enforcement agencies in Texas history, next to the Texas Rangers. Texas Department of Public Safety Show More Show Less

5 of 38 4. The Texas Highway Motor Patrol became the Texas Highway Patrol in 1935, with the creation of the Texas Department of Public Safety. During this time, the Texas Rangers were also added to the agency. John Davenport/Express-News Show More Show Less

7 of 38 5. Overall, the Texas Department of Public Safety was established on Aug. 10, 1935 by the Texas Legislature as a way to control public safety as the state's population increased. There original six divisions were: the Texas Highway Patrol, Texas Rangers, Bureau of Communications, Bureau of Intelligence, Bureau of Education, and Bureau of Identification and Records, according to the Texas State Historical Association. Eric Gay /Associated Press Show More Show Less

8 of 38 6. In 1957, the Texas Legislature created the Safety Education Service in the DPS' Traffic Law Enforcement Division. The program allows for troopers to educate the public about driver and passenger safety. The Traffic Law Enforcement Division was later renamed as the Texas Highway Patrol Division. VICTOR CRISTALES/AP Show More Show Less

10 of 38 7. In 2010, the Texas Department of Public Safety Officers Association launched the DPS Troopers Foundation to support troopers and families in need of financial support. Since then, the Foundation has offered educational and training programs, scholarships, donations for medical emergencies and survivor benefits at death. The Foundation has also offered over $200,000 to the families of DPS employees and the general public. Edward A. Ornelas/Express-News Show More Show Less

11 of 38 8. According to the latest stats from the Texas Department of Public Safety, about 2,162 troopers are employed in the Highway Patrol Service. BILLY CALZADA/SAN ANTONIO EXPRESS-NEWS Show More Show Less

13 of 38 9. State troopers, as well as other DPS personnel, can receive the Medal of Honor, which is the highest award given by the DPS. Around 30 DPS members have received the honor for their self sacrifice and valor in the line of duty. Tamir Kalifa/FRE Show More Show Less

14 of 38 10. In 2008, the Texas DPS was one of the largest law enforcement agencies in the country. At the time, there were about 3,529 employees in the agency. Other states with large agencies are California, New York, Pennsylvania and New Jersey. Eric Gay/Associated Press Show More Show Less

16 of 38 Click through the slideshow to view 14 famous Texas Rangers. File Show More Show Less

17 of 38 Samuel H. Walker (1815-1847)

19 of 38 Ben McCulloch (1811-1862)

20 of 38 John Coffee Hays (1817-1883)

22 of 38 Leander Harvey McNelly (1844-1877)

23 of 38 William "Bigfoot" Wallace (1817-1899)

25 of 38 John B. Jones (1834-1881)

26 of 38 Jesse Lee Hall (1849-1911)

28 of 38 John B. Armstrong (1850-1913)

29 of 38 George W. Baylor (1832-1916)

31 of 38 Captain Bill McDonald (1852-1918)

32 of 38 Captain William Lee Wright (1868-1942)

34 of 38 J. Abijah Brooks (1855-1944)

35 of 38 Ira Aten (1862-1953)

37 of 38 Frank Augustus Hammer (1884-1955)

This week marks the 80th anniversary of the Texas Department of Public Safety &ndash the agency that combined two of the state&rsquos oldest law enforcement agencies.

Before the glorified &ldquoWalker, Texas Ranger&rdquo series, even before World War II, Texas&rsquo state police consisted of the Texas Rangers and the Texas Highway Motor Patrol.

That all changed on Aug. 10, 1935, when the Texas Legislature established the Texas DPS, which consumed the Rangers and transformed the Texas Highway Motor Patrol into the Texas Highway Patrol, known today as state troopers.

Since then, the agency has spread to 15 different specialties, including intelligence, counter terrorism, organized crime and diving.

Click through the slideshow to view 10 things to know about the Texas Department of Public Safety and its troopers, followed by notable Texas Rangers.


23 May 1934 Police kill famous outlaws Bonnie and Clyde

On May 23, 1934, notorious criminals Bonnie Parker and Clyde Barrow are shot to death by Texas and Louisiana state police while driving a stolen car near Sailes, Louisiana.

Bonnie Parker met the charismatic Clyde Barrow in Texas when she was 19 years old and her husband (she married when she was 16) was serving time in jail for murder. Shortly after they met, Barrow was imprisoned for robbery. Parker visited him every day, and smuggled a gun into prison to help him escape, but he was soon caught in Ohio and sent back to jail. When Barrow was paroled in 1932, he immediately hooked up with Parker, and the couple began a life of crime together.

After they stole a car and committed several robberies, Parker was caught by police and sent to jail for two months. Released in mid-1932, she rejoined Barrow. Over the next two years, the couple teamed with various accomplices to rob a string of banks and stores across five states—Texas, Oklahoma, Missouri, New Mexico and Louisiana. To law enforcement agents, the Barrow Gang—including Barrow’s childhood friend, Raymond Hamilton, W.D. Jones, Henry Methvin, Barrow’s brother Buck and his wife Blanche, among others—were cold-blooded criminals who didn’t hesitate to kill anyone who got in their way, especially police or sheriff’s deputies. Among the public, however, Parker and Barrow’s reputation as dangerous outlaws was mixed with a romantic view of the couple as “Robin Hood”-like folk heroes.

Their fame was increased by the fact that Bonnie was a woman—an unlikely criminal—and by the fact that the couple posed for playful photographs together, which were later found by police and released to the media. Police almost captured the famous duo twice in the spring of 1933, with surprise raids on their hideouts in Joplin and Platte City, Missouri. Buck Barrow was killed in the second raid, and Blanche was arrested, but Bonnie and Clyde escaped once again. In January 1934, they attacked the Eastham Prison Farm in Texas to help Hamilton break out of jail, shooting several guards with machine guns and killing one.


3 Bonnie and Clyde Inspired

Bonnie and Clyde still exist in the Fallout universe, but so do another famous criminal couple. In the game's lore, Vikki and Vance started their crime spree two days before Bonnie and Clyde did, but did not become as famous. Vikki and Vance's crimes were not as impressive, driving off before paying for gas, shoplifting, and cashing-check fraud.

Vikki and Vance accidentally drove their car between officers and criminals, getting shot up in the process. Like the real Bonnie and Clyde, the Vikki and Vance death car was displayed in a casino in Primm. Vikki and Vance even got the casino named after them.


30 Surprising Facts You Didn't Know About Top Chef

With 17 seasons under its belt, Top Chef is one of the longest running reality shows on television, and the series doesn't appear to be slowing down. Fans are undoubtedly familiar with how quick fire challenges and the judges' table work, and they've watched more than one Restaurant Wars, but there are still Top Chef facts that allude them. These 30 surprising facts about Top Chef may surprise even its most avid viewers.

In a guest column for The Hollywood Reporter, Lakshmi revealed that she consumes between 5,000 to 8,000 calories a day testing contestants' meals.

Cliff Crooks was asked to leave the competition after pinning down fellow contestant Marcel Vigneron and attempting to shave his head.

While viewers only see a few minutes of debate, judge Gail Simmons revealed to Parade that Judges' Table takes about four hours.

In an interview, a culinary producer for the show revealed they spend up to $5000 on groceries.

It would be quite the script to remember during Quick Fire and Judges' Table, so Padma wears an earpiece that feeds her information.

All that food has to go somewhere. The producers get to chow down on the leftover dishes and groceries.

According to frequent judge Eric Ripert, the worst dish he ever had was season two's Ilan Hall's chocolate ganache with chicken liver.

According to a 2007 interview, contestants must make two of each dish&mdashone for photos, the other for the judges.

Like many other reality shows, Top Chef contestants can't have contact with the outside world.

In a 2010 panel, Simmons admitted that black beans give her "the heebie jeedbies."

In a 2017 interview with Delish, finalists Brooke Williamson and Shirley Chung revealed that the chefs don't want to cook elaborate meals for themselves. Instead, they eat mostly carbs and junk food.

This rule is specifically related to Marcel Vigneron, who wasn't allowed to cut his hair due to "continuity errors," according to the show.

Quick Fires time limits are enforced, and the same is true of the four-hour challenges. The competition keeps things fair.

Chefs aren't responsible for the clean-up of the kitchen. It's done by production.

Lakshmi joined the show in the second season. The first judge was Katie Lee.

According to Kwame Onwuachi's memoir, when chefs are eliminated, they're kept isolated until filming ends to prevent spoilers.

It's so rare for a contestant to self-eliminate that only five have ever left the show on their own.

Judge Tom Colicchio has said he enjoys when contestants talk back to the judges and stand up for their food.


Assista o vídeo: Top 10 Shocking Little-Known Facts About Bonnie And Clyde (Pode 2022).