Podcasts de história

Quando o templo de Ártemis em Éfeso foi destruído?

Quando o templo de Ártemis em Éfeso foi destruído?


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Os relatos da destruição do templo são um pouco confusos. Jordanes no século 6 diz

“Respa, Veduc e Thuruar, líderes dos godos, embarcaram e navegaram através do estreito do Helesponto para a Ásia. Lá eles devastaram muitas cidades populosas e incendiaram o famoso templo de Diana em Éfeso, que, como dissemos antes, as amazonas construíram ”.

O que restou do templo de acordo com este artigo

… Foi extraído pelos habitantes locais por seu valioso mármore e muito pouco resta hoje. Pedaços dele foram encontrados em edifícios locais e Justinian levou grande parte das estátuas que sobreviveram ao seu tempo de volta para Constantinopla.

Mas de acordo com Cirilo de Alexandria no século 5, São João Crisóstomo foi rotulado como o "destruidor do templo de Diana". Sugerindo que ele foi o responsável pela destruição do templo. Uma menção semelhante também é feita por Proclo de Constantinopla, que diz "Em Éfeso, ele despojou a arte de Midas". Isso pode aludir ao templo de Artemis.

Temos uma resposta definitiva sobre quando o templo foi destruído?


Aparentemente, foi destruído várias vezes. Primeira vez por Herostratus: https://en.wikipedia.org/wiki/Herostratus De acordo com a tradição, isso aconteceu em 21 de julho de 356 AC.


Templo de Artemis

o Templo de Artemis (em grego & mdash Artemision, e em latim & mdash Artemisium), também conhecido como Templo de diana, foi um templo dedicado a Artemis concluído por volta de 550 aC em Éfeso (na atual Turquia) sob a dinastia Aquemênida do Império Persa. Nada resta do templo original, que foi considerado uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo.

O templo foi um projeto de 120 anos iniciado por Creso da Lídia. Foi descrito por Antípatro de Sidon, que compilou uma lista das Sete Maravilhas: Eu coloquei os olhos na parede da elevada Babilônia na qual há uma estrada para carruagens, e a estátua de Zeus ao lado de Alfeu, e os jardins suspensos, e o colosso do Sol, e o enorme trabalho das pirâmides altas, e o vasta tumba de Mausolo, mas quando vi a casa de Artemis que subia às nuvens, aquelas outras maravilhas perderam seu brilho, e eu disse, & # 39Lo, além do Olimpo, o Sol nunca olhou para algo (qualquer coisa) tão grande. & quot (Antípatro, Antologia Grega [IX.58])

O templo também foi descrito por Filo de Bizâncio: Eu vi as paredes e os Jardins Suspensos da antiga Babilônia, a estátua de Zeus Olímpico, o Colosso de Rodes, a obra poderosa das Altas Pirâmides e a tumba de Mausolo. Mas quando vi o templo de Éfeso subindo até as nuvens, todas essas outras maravilhas foram colocadas na sombra.


Localização do Templo de Artemis

Geograficamente, o Templo de Artemis estava situado em Selçuk, uma cidade que fica a cerca de 50 km do sul de Izmir, na Turquia. Mas por que se diz que o Templo de Artemis fica em Éfeso? A razão é que a atual cidade de Selçuk foi estabelecida perto das ruínas da antiga Éfeso.

Por volta do terceiro e oitavo séculos aC, Éfeso existia como uma cidade portuária na área costeira do Mar Egeu, perto da foz do rio Cayster. A localização do templo com água tornava-o uma área propensa a inundações, resultando em inundações ocasionais do templo.

O rio Cayster depositou lodo em torno de sua baía, por isso o mar lentamente se afastou da cidade. Para permitir que os navios cheguem com segurança, canais foram escavados para conectar a cidade ao mar à deriva. Quando a cidade foi realocada alguns quilômetros ao sul, o templo tornou-se mais isolado.


O Templo de Artemis em Éfeso

No que deve ser um dos meus locais favoritos no Mundo Antigo, Éfeso ficava outra das Sete Maravilhas: O Templo de Ártemis.

A história conta que por volta de 1100 DC um cruzado visitou Éfeso e, olhando para a vila pantanosa, perguntou aos habitantes locais onde ficava a baía. O porto? Para onde o templo foi? Os moradores olharam para ele e perguntaram:

E, de fato, quando visitei as ruínas quase nove séculos depois, a baía estava assoreada e a cidade de Éfeso estava localizada a cerca de 3 quilômetros para o interior, os antigos edifícios do porto margeando uma planície de argila rica.

Quase 3.000 anos atrás, Éfeso era uma pequena vila na Ásia Menor. Seus habitantes adoravam Artemis. Esta deusa não era a deusa virgem grega da caça, mas uma deusa da fertilidade do tipo mãe terra mais velha, cujas estátuas carregavam um grande colar do que poderia ser ovos ou 8230. 1) Uma pedra, possivelmente um meteorito, estava em exibição em seu templo.

Quatrocentos anos depois, era uma rica cidade portuária que comercializava em todo o Mediterrâneo e nas profundezas do coração da Ásia Menor. A cidade escolheu o arquiteto Chersiphron para construir um novo templo para Artemis, um templo digno da deusa e da cidade.

No entanto, o templo não durou muito, pois em 550 aC o rei Creso conquistou a cidade e o templo foi destruído na luta. Creso contratou um arquiteto chamado Teodoro e fez com que ele construísse um templo novo e maior no local. Quase cem metros de comprimento, por 50 metros de largura, era facilmente quatro vezes o tamanho do templo anterior.

Os deuses não podem ter ficado muito satisfeitos com isso como em 356 aC o desastre aconteceu. Um jovem chamado Herostratus ateou fogo ao templo e o destruiu. Quando perguntado por que ele fez isso? Ele respondeu:

Bem, ele certamente conseguiu, mas foi rapidamente morto pelos enfurecidos efésios, que também decretaram que qualquer pessoa que falasse sobre essa pessoa horrível também deveria ser condenada à morte.

Éfeso, nessa época uma das cidades mais ricas do mundo, encarregou Scopas de Paros de construir um novo templo para eles. Scopas criou uma base de carvão e lã no terreno pantanoso e começou a construir.

O templo resultante era facilmente duas vezes maior que o Partenon em Atenas e tinha bases esculpidas em cada uma de suas 127 colunas de 20 metros de altura. Filom de Bizâncio escreve sobre o resultado:

& # 8220Eu vi as paredes e os Jardins Suspensos da antiga Babilônia, a estátua do Zeus Olímpico, o Colosso de Rodes, a obra poderosa das Altas Pirâmides e a tumba de Mausolo. Mas quando vi o templo de Éfeso subindo até as nuvens, todas essas outras maravilhas foram colocadas na sombra. & # 8221

Plínio registra que levou 120 anos para construir essa estrutura maciça e sabemos que ela ainda estava em construção quando Alexandre o Grande apareceu em 333 AC. Ele queria seu nome no templo e se ofereceu para gastar dinheiro em sua construção. A cidade não ficou muito feliz com essa ideia e convenceu Alexandre de que um deus não deveria construir um templo para outro. & # 8221

O templo e seus vendedores de souvenirs ainda existiam quando São Paulo o visitou em 57AD. São Paulo tentou convencer os efésios de que o cristianismo era a melhor opção, mas o povo não se impressionou com seus argumentos e o forçou a deixar a cidade.

Em 262AD a cidade foi invadida pelos godos que saquearam a cidade e destruíram o templo. Constantino tentou dar um novo fôlego a Éfeso, mas escolheu o Cristianismo e ignorou os restos do templo. No entanto, o porto ficou assoreado e o local foi eventualmente abandonado.

No final do século 19, os arqueólogos ingleses escavaram as fundações do templo & # 8217s, levaram as melhores partes para casa e prontamente esqueceram tudo a respeito. Atualmente, os restos do templo & # 8217s foram vítimas do pântano novamente e uma única coluna marca o local de sua majestade.

1) Provavelmente eram outra coisa, mas isso não se repetia em companhias educadas.


Conclusão

Concluindo, o Templo de Artemis é uma das obras de arte mais importantes da Antiguidade, no entanto, dele restam apenas ruínas em nosso tempo. Ainda assim, mesmo as ruínas restantes são suficientes para entender a magnificência que este templo teve uma vez.

Existem muitos artigos no site Ephesus Travel Blog sobre as ruínas de Éfeso, onde fica o Templo de Ártemis. Se desejar, você pode visitar a página inicial e aprender mais sobre Éfeso.

Embora Éfeso seja conhecida por sua rica herança romana, ela ainda carrega vestígios da Grécia Antiga. A antiga cidade de Éfeso tem a herança romana mais bem preservada do Mediterrâneo Oriental e está entre os lugares imperdíveis da Turquia.

Aqueles que desejam visitar Éfeso são, em sua maioria, passageiros de navios de cruzeiro vindos do Porto de Cruzeiros de Kusadasi. No entanto, com sua herança cultural, Éfeso também atrai visitantes de outras cidades turísticas da Turquia, como Istambul, Izmir e Antalya.

Se você vai visitar essa região, sugiro que contrate um guia turístico particular em Éfeso. Com sua história que remonta a 1000 aC, Éfeso foi um dos centros culturais e comerciais mais importantes da antiguidade. Você precisará de um guia experiente para compreender totalmente a história dessa herança romana bem preservada.


As três fases do Templo de Artemis

O antigo escritor de viagens Pausânias afirmou que o famoso Templo de Artemis em Éfeso era anterior à própria Grécia. Muitos escritores antigos disseram que o primeiro santuário no local foi construído pelas amazonas, mas Pausânias acreditava que era ainda mais antigo do que a lendária raça de guerreiras.

Os escritores antigos podem não ter escrito sobre as Amazonas, mas os arqueólogos acreditam que eles estavam corretos quando disseram que o Templo de Ártemis existia antes de sua própria história ser escrita.

O antigo templo ficava fora da cidade de Éfeso, na Turquia moderna. A cidade foi fundada no século 10 aC no local de um antigo assentamento da Anatólia.

Os habitantes gregos jônicos e áticos da cidade são considerados pelos arqueólogos como tendo começado a construção de um templo nas proximidades menos de duzentos anos depois. Embora este seja o edifício mais antigo conhecido no local, é possível que Pausânias e os outros escritores antigos estivessem corretos ao dizer que o povo pré-grego também adorava ali.

Esse templo primitivo, é claro, tinha pouca semelhança com a maravilha do mundo que se seguiria. O piso era de argila compactada e incluía motivos artísticos sírios como a Árvore da Vida e o grifo.

No entanto, ele tinha um aspecto importante dos templos gregos posteriores. É o exemplo mais antigo conhecido do estilo de construção periférica que viria a definir a arquitetura religiosa greco-romana, na qual o edifício era circundado nos quatro lados por um pórtico e colunas.

Este templo não sobreviveu por muito tempo, no entanto. Inundações no século 7 aC destruíram o edifício da Idade do Bronze e enterrou sua arte sob uma espessa camada de lodo e detritos.

Por volta de 550 aC, Creso, o rei fundador da Lídia, encomendou a reconstrução do Templo de Artemis no local. O arquiteto cretense Chersiphron e seu filho Metagenes foram contratados para construir um local de culto mais novo e mais grandioso.

Acredita-se que o segundo Templo de Afrodite foi um dos primeiros templos gregos construídos inteiramente em mármore. Com 115 metros de comprimento e 46 metros de largura, o edifício era um empreendimento gigantesco.

O enorme templo deu início à tradição de peregrinação a Éfeso pelos adoradores de Ártemis. Turistas, mercadores e reis, todos visitaram o local sagrado e deram ofertas de ouro e joias em homenagem a Artemis.

Na crença de que o templo havia sido fundado pelas amazonas, também fornecia santuário para criminosos e párias. Artemis havia recusado duas vezes às amazonas na lenda, então seu templo também oferecia um refúgio seguro para aqueles que foram forçados a deixar suas casas.

Em 356 aC, no entanto, o templo foi destruído. Um homem chamado Herostratus, em busca de fama por qualquer meio, ateou fogo no telhado de madeira.

Escritores posteriores ligaram a destruição do templo ao nascimento de Alexandre, o Grande. A grande parteira Ártemis, disseram, estava muito preocupada com o importante nascimento para salvar seu próprio templo da destruição.

Alexandre da Macedônia nunca viu um templo no local. Ele se ofereceu para pagar pela construção de um novo santuário pelos efésios recusado, dizendo que era impróprio para um deus pagar pelo templo de outro.

Em vez disso, a construção começou no local pela terceira vez em 323 aC, após sua morte. Os efésios pagaram sozinhos pelo novo edifício.

O terceiro Templo de Artemis era ainda maior, 137 metros por metros, e tinha mais de 120 colunas ao redor de seu pórtico.

Este Templo de Artemis foi considerado uma das maravilhas arquitetônicas do mundo. Os escritores relataram que as colunas eram douradas com prata e ouro, enquanto esculturas e pinturas dos artistas mais famosos do mundo decoravam o interior.

Em 162 DC, um edito romano expandiu o festival de Artemis da cidade para cobrir um mês inteiro. As fontes romanas continuaram a se maravilhar com a grande estrutura, que chamaram de Templo de Diana.

O templo era tão famoso que foi incluído no Novo Testamento da Bíblia. O primeiro missionário cristão na cidade supostamente causou polêmica porque o povo de Éfeso temia que o templo fosse desonrado pela presença do novo deus.

A história da destruição do templo por meio da expulsão de seus demônios nos Atos de João, no entanto, é apócrifa. O Templo de Artemis continuou a existir durante o século 2 DC, bem na era cristã.

Sabe-se que o templo foi danificado em 268 DC durante um ataque dos godos germânicos. Acredita-se que o local continuou a ser usado, entretanto, e pode até ter sido convertido por um tempo em uma igreja cristã primitiva.

Em meados do século V, um escritor da região mencionou o fechamento permanente do templo com a sugestão de que isso havia acontecido em sua própria vida. Em um esforço final para erradicar o paganismo no Império Romano, o templo foi fechado e Artemis foi removido das inscrições na cidade.

Não se sabe exatamente quando o prédio abandonado foi totalmente destruído. Como muitos outros grandes locais do mundo antigo, suas ruínas foram usadas como fontes de pedra para construções posteriores e o local foi perdido.

Escavações em 1869 redescobriram a localização do templo e seus artefatos chegaram ao Museu Britânico. Hoje, o local do grande Templo de Artemis é marcado por uma única coluna reconstruída.

Minha Interpretação Moderna

A construção do Templo de Artemis mostra a forma como os locais religiosos foram reutilizados e reconstruídos durante a era greco-romana.

Embora o templo tenha sido reconstruído várias vezes, o local foi dedicado a Artemis por mais de mil anos.

Quando um templo antigo era danificado ou destruído, raramente era abandonado inteiramente, a menos que o local tivesse que ser abandonado para fins práticos. Em vez disso, foi reconstruído para ser mais grandioso do que antes.

Os templos não eram apenas locais religiosos no mundo antigo. Eles eram simbólica e economicamente importantes para as cidades que os abrigavam.

Governantes como Creso dedicaram templos e reconstruíram locais danificados como símbolos de seu próprio poder e autoridade. A construção de um templo era uma operação cara que exigia abundante acesso a materiais e mão de obra.

A construção de templos não apenas mostrou a dedicação de um governante ou cidade aos deuses, mas também mostrou sua capacidade de aproveitar esses recursos. Quanto maior o edifício, mais recursos e poder político são necessários para construí-lo.

Templos caros como o de Artemis foram locais de inovação arquitetônica. Quando um grande material como o mármore foi usado para a segunda construção do templo, por exemplo, os arquitetos de outros lugares foram inspirados a imitá-lo para que seus próprios projetos não parecessem menos impressionantes.

Embora uma grande quantidade de recursos fosse destinada à construção do Templo de Ártemis, também proporcionou benefícios econômicos a Éfeso.

Grandes templos como o de Éfeso trouxeram visitantes à cidade. Não apenas faziam oferendas ao próprio templo, mas também gastavam seu dinheiro em pousadas, tavernas e lojas locais.

A arte e o design maravilhosos do templo não apenas serviam à deusa, mas também atraíam mais pessoas. O Templo de Artemis serviu não apenas como um local sagrado, mas também como uma espécie de museu no qual os visitantes podiam ver maravilhosas obras de arte de criadores famosos.

Templos e locais sagrados como o Templo de Artemis forneceram a base das primeiras economias turísticas do mundo.

A cidade de Éfeso era importante no mundo grego, mas atingiu seu apogeu sob o domínio romano. Expandir o festival de Artemis foi uma maneira pela qual o Império reconheceu o significado cultural e econômico do templo na cidade.

Embora a cidade de Éfeso tenha sido habitada por pessoas de língua grega por cerca de 1.500 anos, ela entrou em declínio rapidamente depois que seu grande templo foi fechado. Centros culturais e econômicos de cidades antigas, o fechamento de grandes templos foi um triunfo do cristianismo, mas um golpe para a área circundante.

Após o ano 500, Éfeso sofreu a perda de seu porto devido ao lodo do rio, um grande terremoto e saque pelos exércitos árabes. Embora uma basílica cristã tenha sido construída lá, ela nunca se igualou ao Templo de Artemis em sua capacidade de trazer pessoas para a área.

Quando os cruzados chegaram, a cidade sobre a qual leram no Novo Testamento era pouco mais do que uma vila rural. O Templo de Artemis e as ruas movimentadas do grande centro comercial não estavam em lugar nenhum.

Em suma

O Templo de Artemis em Éfeso foi uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo, conhecido por sua arquitetura impressionante e coleção de arte. Registros escritos e arqueológicos mostram que o local foi construído em três fases distintas.

O primeiro templo foi construído durante o período conhecido como Idade das Trevas grega. Enquanto os escritores antigos afirmavam que o local sagrado havia sido estabelecido pelas Amazonas, o primeiro templo grego foi construído em algum momento do século 8 aC.

Mesmo este templo mais antigo é arqueologicamente significativo. É o primeiro exemplo conhecido do uso de pórticos e colunas que se tornariam padrão para estruturas religiosas greco-romanas.

Quando uma inundação destruiu este templo, um segundo templo de Artemis foi iniciado por volta de 550 aC. Um reflexo do poder do rei Creso, dizem que foi o primeiro templo construído inteiramente de mármore.

Este templo era bem conhecido no mundo grego, mas foi destruído por um incendiário em 356 aC. Dentro de algumas décadas, um novo templo foi construído que se tornou uma das Maravilhas do Mundo.

O Templo de Artemis era uma das características centrais da cidade de Éfeso. Sua arte e tamanho impressionante trouxeram visitantes de todo o Mediterrâneo, formando uma economia turística na cidade portuária.

O templo, e Éfeso, declinou gradualmente depois de atingir seu auge sob o Império Romano. O cristianismo e os desastres naturais tornaram o templo menos importante até que foi finalmente fechado no século 5 DC.

Por mais de mil anos, o Templo de Artemis serviu como o centro da vida religiosa na cidade de Éfeso. Embora seu local seja marcado hoje apenas por uma única coluna fora de uma vila rural, a arqueologia e os registros escritos nos lembram da longa história de um dos edifícios mais maravilhosos do mundo antigo.


Arquivo SH - Antiga Fábrica de Genética: O Templo de Artemis


Pergunta desconfortável sobre a deusa Artemis
  • A ira dos deuses: geoarmas contra inundação de lama
  • Roma Antiga = Sacro Império Romano
  • Diana de Éfeso ou Ártemis para os gregos antigos
  • Crianças recém-nascidas e os trens órfãos: vídeo da CONSPIRACY-R-US
  • A organização terrorista conhecida como ISIS era na realidade uma operação, onde várias entidades humanas foram criadas.

Localizada em Roma, a fonte foi executado em travertino em 1642-43. Em seu centro ergue-se um Tritão musculoso, maior do que o real, um deus marinho menor da antiga lenda greco-romana, representado como um tritão ajoelhado sobre a soma de quatro nadadeiras de cauda de golfinho. Sua cabeça é jogada para trás e seus braços levantam uma concha até os lábios - um jato de água jorra, antes subindo dramaticamente mais alto do que hoje. A fonte tem uma base de quatro golfinhos que entrelaçam a tiara papal com chaves cruzadas e o abelhas heráldicas barberini em suas caudas escamosas.


  • Se tivermos permissão para a hipótese de Colombo redescobrir a América, em vez de fazer com que ela seja descoberta, devemos ter uma hipótese adicional. Estou falando sobre uma grande catástrofe, que levou ao Age of Discovery.
  • E então, nós realmente sabemos quando a redescoberta ocorreu,1492 ou 1592?


  • Essa reconstrução sobreviveu por 600 anos e aparece várias vezes nos primeiros relatos cristãos de Éfeso. De acordo com o Novo Testamento, o aparecimento do primeiro missionário cristão em Éfeso fez com que os locais temessem pela desonra do templo. Os Atos de João do século 2 incluem uma história apócrifa da destruição do templo: o apóstolo João orou publicamente no Templo de Ártemis, exorcizando seus demônios e "de repente o altar de Ártemis se partiu em muitos pedaços. E metade do templo caiu , "convertendo instantaneamente os efésios, que choraram, oraram ou fugiram.
  • Em 268 DC, o Templo foi destruído ou danificado em um ataque dos godos, uma tribo germânica oriental na época do imperador Galieno: "Respa, Veduc e Thuruar, líderes dos godos, embarcaram e navegaram pelo estreito do Helesponto para a Ásia. Lá eles devastaram muitas cidades populosas e incendiaram o famoso templo de Diana em Éfeso ", relatou Jordanes em Getica. No entanto, não se sabe até que ponto o templo foi danificado.
  • Seja qual for a extensão dos ferimentos no edifício, parece ter sido reconstruído ou reparado, já que o templo foi usado para adoração durante o surgimento do cristianismo, e fechado como consequência da perseguição aos pagãos no final Império Romano. No entanto, a história do templo entre 268 e seu fechamento pelas perseguições cristãs não é bem conhecida, e não está confirmado o tamanho do dano de 268, e exatamente em que ano foi fechado pelos cristãos. Amônio de Alexandria comenta sobre o fechamento do templo em seu comentário dos Atos dos Apóstolos em meados do século V, no qual dá a impressão de que o fechamento do templo ocorreu em sua memória viva. Presume-se que o fechamento do Templo de Artemis ocorreu em algum momento durante o curso do início a meados do século V, com o ano de 407 como uma data inicial. O fechamento do templo foi seguido pelo apagamento do nome de Artemis das inscrições ao redor da cidade de Éfeso.
  • Não se sabe quanto tempo o edifício permaneceu após o fechamento do templo pelos cristãos. Pelo menos algumas das pedras do templo foram eventualmente usadas na construção de outros edifícios. Algumas das colunas em Hagia Sophia pertenciam originalmente ao templo de Artemis, e várias estátuas e outros elementos decorativos do templo, em Constantinopla.
  • Fontes: As principais fontes primárias para o Templo de Artemis em Éfeso são a História Natural de Plínio, o Velho, Pomponius Mela 1:17 e a Vida de Alexandre de Plutarco (referenciando o incêndio do Artemiseu).
  • Redescoberta: Após seis anos de pesquisas, o local do templo foi redescoberto em 1869 por uma expedição liderada por John Turtle Wood e patrocinada pelo Museu Britânico. Essas escavações continuaram até 1874. Alguns fragmentos adicionais de escultura foram encontrados durante as escavações de 1904 a 1906 dirigidas por David George Hogarth. Os fragmentos esculpidos recuperados da reconstrução do século 4 e alguns do templo anterior, que foram usados ​​no aterro de entulho para a reconstrução, foram reunidos e exibidos na "Sala de Éfeso" do Museu Britânico. Além disso, o museu possui parte do possivelmente o mais antigo tesouro de moedas do mundo (600 aC) que foi enterrado nas fundações do templo arcaico.
    • Hoje, o local do templo, que fica próximo a Selçuk, é marcado por uma única coluna construída com fragmentos dissociados descobertos no local.


    Fonte


    Fonte

    Abaixo, eu coloco nossas deusas juntas. Por favor, tome nota mental da Deusa "Natureza" do Brasão de armas do Foundlings Hospital. A compilação também dará uma conexão adicional à hipótese das abelhas da Família Barberini.

    Conexão Barberini

    Alma Mater e Magna Mater

    • A frase é traduzida de várias maneiras como "mãe nutridora", "nutriz" ou "mãe adotiva", sugerindo que uma escola fornece nutrição intelectual para seus alunos.Embora alma (nutrir) fosse um epíteto comum para Ceres, Cibele, Vênus e outras deusas mães, não era freqüentemente usado em conjunto com mater no latim clássico.

    Fonte + Fonte

    A Magna Mater foi trazida para Roma no ano 204 aC da cidade frígia de Pessino, na Ásia Menor. Embora o culto tenha sido introduzido como uma nova forma da deusa frígia Matar por meio de sua encarnação grega, o Culto de Cibele, na verdade era uma construção romana de um culto "estrangeiro". Desde a sua chegada, o culto romano teve um ramo público que foi estabelecido pelo estado a fim de incorporá-lo à religião pública romana e um ramo privado que se desenvolveu separadamente com seus próprios rituais e modos de culto.

    Órfãos e enjeitados

    Tie-in da Estátua da Liberdade

    Todos nós sabemos que a Estátua da Liberdade foi inaugurada em 1886. Abaixo, temos uma imagem que poderia ligar a Estátua da Liberdade à imagem geral de "repovoamento". Isso poderia significar que 1886 foi quando os Estados Unidos adquiriram seus novos cidadãos?

    Hoje em dia, quando as pessoas pensam sobre "ISIS", eles provavelmente querem dizer o Estado Islâmico do Iraque e Síria. Pelo que entendi, a missão do ISIS está cumprida. TPTB também o renomeou para ISIL. Ao mesmo tempo, nunca mais pesquisando por Ísis lhe dará a Deusa no topo da pesquisa. Isso provavelmente não é importante, mas pequenas coisas também importam.

    Quem mora nos Estados Unidos sabe muito bem que algumas de nossas siglas não parecem legais sem motivo. As palavras parecem ter sido escolhidas deliberadamente para fazer a sigla resultante soar legal e significativa. nada errado com isso, certo? Dessa perspectiva, não acho que acabamos com o "ISIS" sem motivo.

    Obviamente, tínhamos vários artigos de notícias e outros tipos de cobertura da mídia de massa mostrando morte e destruição. Este é um assunto delicado do PC e quero deixar claro que, em minha opinião, as atrocidades de guerra são terríveis e inaceitáveis. Isso é meio que dito que pequenas isenções de responsabilidade são necessárias nos dias de hoje.

    Ao mesmo tempo, qual foi o resultado final de toda a provação. O mundo acabou com uma crise de refugiados de proporções sem precedentes. Bem, pelo menos em nossa vida foi sem precedentes. Algo me diz que isso aconteceu antes. Pode ser há 150 anos, pode ser 500 anos atrás, pode ser as duas coisas, e pode ser muitas vezes maior e até maior.

    • Opinião do Snopes:Imagens que afirmam que ondas de migrantes e refugiados que pedem asilo são "principalmente homens jovens" são baseadas em estatísticas errôneas ou enganosas.
    • Opinião do Snopes: Verifique você mesmo. A fronteira dos EUA não é um problema aqui.
    • Os refugiados sírios são todos 'homens jovens e fortes'?
    • Cinco razões pelas quais a maioria dos refugiados que chegam à Europa são homens

    Tenho certeza de que havia mulheres e crianças entre os refugiados. Eu vi a cobertura da TV e fotos. Mas, simultaneamente, temos fotos como a que está abaixo. O TPTB pode explicar facilmente essa improbabilidade estatística com alguma falta de sentido. Afinal, eles explicaram como as pirâmides egípcias foram construídas.



    Resumo KD: Aí está. Essa é a direção de meus pensamentos no que diz respeito à "genética antiga". Acho que algumas pessoas tiveram, têm e terão acesso a esse conhecimento e tecnologia. É assim que nossos anos 1860 cidades "abandonadas" poderia ter sido repovoado.

    Essas "fábricas de templos" estavam produzindo todos os tipos de criaturas vivas. O que significa que eles estavam fazendo tudo, incluindo humanóides e outras coisas estranhas que não classificamos adequadamente hoje.


    Taira Earth

    Membro

    Estou usando tradução automática.

    Alguém sabe o quanto este tópico progrediu?
    Pelo que me lembro, o assunto progrediu para o mistério das minhocas (noite sem cabeça) e a incubadora de bebês.

    Fico feliz em recomendar uma nova agenda.
    Acho que esse segmento é importante para desvendar a explosão populacional após a enchente de lama.

    ? mistério dos vermes
    https://cont.ws/@carabasbarabas/263362
    • Orfanatos do Japão antes e depois da guerra. Não existem fotos ao redor do mundo que se parecem muito com isso?

    Acredito que os grandes templos japoneses podem ter tido uma função semelhante à de Artemis.
    Montanus, Japan Magazine. P126 A foto é de um livro privado.

    Para compensar a redução drástica da população após o Dilúvio de Lama, pessoas foram criadas e transportadas ou vendidas ao redor do mundo.

    Gostaria especialmente de saber a verdade sobre a incubadora infantil em Coney Island.

    Azura

    Novo membro

    Pergunta desconfortável sobre a deusa Artemis
    • A ira dos deuses: geoarmas contra inundação de lama
    • Roma Antiga = Sacro Império Romano
    • Diana de Éfeso ou Ártemis para os gregos antigos
    • Crianças recém-nascidas e os trens órfãos: vídeo da CONSPIRACY-R-US
    • A organização terrorista conhecida como ISIS era na realidade uma operação, onde várias entidades humanas foram criadas.

    Localizada em Roma, a fonte foi executado em travertino em 1642-43. Em seu centro ergue-se um Tritão musculoso, maior do que o real, um deus marinho menor da antiga lenda greco-romana, representado como um tritão ajoelhado na soma de quatro nadadeiras de cauda de golfinho. Sua cabeça é jogada para trás e seus braços levantam uma concha até os lábios - um jato de água jorra, antes subindo dramaticamente mais alto do que hoje. A fonte tem uma base de quatro golfinhos que entrelaçam a tiara papal com chaves cruzadas e o abelhas heráldicas barberini em suas caudas escamosas.


    • Se tivermos permissão para a hipótese de o Sr. Colombo redescobrir a América, em vez de fazer com que ela seja descoberta, devemos ter uma hipótese adicional. Estou falando sobre uma grande catástrofe, que levou ao Age of Discovery.
    • E então, nós realmente sabemos quando a redescoberta ocorreu,1492 ou 1592?


    • Essa reconstrução sobreviveu por 600 anos e aparece várias vezes nos primeiros relatos cristãos de Éfeso. De acordo com o Novo Testamento, o aparecimento do primeiro missionário cristão em Éfeso fez com que os locais temessem pela desonra do templo. Os Atos de João do século 2 incluem uma história apócrifa da destruição do templo: o apóstolo João orou publicamente no Templo de Ártemis, exorcizando seus demônios e "de repente o altar de Ártemis se partiu em muitos pedaços. E metade do templo caiu , "convertendo instantaneamente os efésios, que choraram, oraram ou fugiram.
    • Em 268 DC, o Templo foi destruído ou danificado em um ataque dos godos, uma tribo germânica oriental na época do imperador Galieno: "Respa, Veduc e Thuruar, líderes dos godos, embarcaram e navegaram pelo estreito do Helesponto para a Ásia. Lá eles devastaram muitas cidades populosas e incendiaram o famoso templo de Diana em Éfeso ", relatou Jordanes em Getica. No entanto, não se sabe até que ponto o templo foi danificado.
    • Seja qual for a extensão dos ferimentos no edifício, parece ter sido reconstruído ou reparado, já que o templo foi usado para adoração durante o surgimento do cristianismo, e fechado como consequência da perseguição aos pagãos no final Império Romano. No entanto, a história do templo entre 268 e seu fechamento pelas perseguições cristãs não é bem conhecida, e não está confirmado o tamanho do dano de 268, e exatamente em que ano foi fechado pelos cristãos. Ammonius of Alexandria comments on the closure of the temple in his commentary of the Acts of the Apostles in the mid 5th-century, in which he gives the impression that the closure of the temple had occurred in his living memory. The closure of the Temple of Artemis is assumed to have occurred sometime during the course of the early to mid 5th-century, with the year of 407 as an early date. The closure of the temple was followed by the erasing of the name of Artemis from inscriptions around the city of Ephesus.
    • It is unknown how long the building stood after the closure of the temple by the Christians. At least some of the stones from the temple were eventually used in construction of other buildings. Some of the columns in Hagia Sophia originally belonged to the temple of Artemis, and several statues and other decorative elements from the temple, throughout Constantinople.
    • Fontes: The main primary sources for the Temple of Artemis at Ephesus are Pliny the Elder's Natural History, Pomponius Mela i:17, and Plutarch's Life of Alexander (referencing the burning of the Artemiseum).
    • Re-discovery: After six years of searching, the site of the temple was rediscovered in 1869 by an expedition led by John Turtle Wood and sponsored by the British Museum. These excavations continued until 1874. A few further fragments of sculpture were found during the 1904–1906 excavations directed by David George Hogarth. The recovered sculptured fragments of the 4th-century rebuilding and a few from the earlier temple, which had been used in the rubble fill for the rebuilding, were assembled and displayed in the "Ephesus Room" of the British Museum. In addition, the museum has part of possibly the oldest pot-hoard of coins in the world (600 BC) that had been buried in the foundations of the Archaic temple.
      • Today the site of the temple, which lies just outside Selçuk, is marked by a single column constructed of dissociated fragments discovered on the site.


      Fonte

      Below, I put our Goddesses together. Please take a mental note of the "Nature" Goddess from the Foundlings Hospital Coat of Arms. The compilation will also give an additional tie-in to the Barberini Family bee hypothesis.

      Barberini Connection

      Alma Mater and Magna Mater

      • The phrase is variously translated as "nourishing mother", "nursing mother", or "fostering mother", suggesting that a school provides intellectual nourishment to its students.Although alma (nourishing) was a common epithet for Ceres, Cybele, Venus, and other mother goddesses, it was not frequently used in conjunction with mater in classical Latin.

      Fonte + Fonte

      The Magna Mater was brought to Rome in the year 204 BCE from the Phrygian city of Pessinus in Asia Minor. Although the cult was introduced as a new form of the Phrygian goddess Matar by way of its Greek incarnation, the Cult of Cybele, it was actually a Roman construction of a "foreign" cult. From its first arrival, the Roman cult had a public branch that was established by the state in order to incorporate it into Roman public religion and a private branch that developed separately with its own rituals and modes of worship.

      Orphans and Foundlings

      Statue of Liberty Tie-in

      We all know that the Statue of Liberty was dedicated in 1886. Below we have an image which could tie in the Statue of Liberty into the general "re-population" picture. Could it mean, that 1886 is when the United States acquired its new citizens?

      These days, when people think about "ISIS", they most likely mean the Islamic State of Iraq and Syria. As far as I understand, the mission of ISIS is accomplished. TPTB also renamed it to ISIL. At the same time, never ever again googling for Isis will give you the Goddess at the top of the search. This is probably not important, but little things matter too.

      Those living in the United States know well that some of our acronyms do not sound cool for no reason. The words appear to be deliberately chosen to make the resulting acronym sound cool and meaningful. Nothing wrong with that, right? From this perspective I do not think that we ended up with "ISIS" for no reason.

      We obviously had multiple news articles and other types of mass media coverage showing death and destruction. This is a PC touchy issue, and I want to make it clear, that in my opinion war atrocities are terrible and unacceptable. This is kind of said that little disclaimers are necessary in this day and age.

      At the same time, what was the end result of the entire ordeal. The world ended up with a refugee crisis of unprecedented proportions. Well, at least in our life time it was unprecedented. Something tells me it did happen before. May be 150 years ago, may be 500 years ago, may be both, and may be many times over, and even bigger.

      • Snopes opinion:Images claiming that waves of migrants and refugees asking for asylum are "mostly young men" are based on faulty or misleading statistics.
      • Snopes opinion: Check this one out for yourself. U.S. Border is not an issue here.
      • Are the Syrian Refugees All 'Young, Strong Men'?
      • Five reasons why the majority of refugees reaching Europe are men

      I'm positive there were women and children among refugees. I have seen TV coverage and photographs. But simultaneously we have photographs like the one below. TPTB can easily explain this statistical improbability with some non-sense. After all they explained how the Egyptian Pyramids were built.




      KD Summary: Aí está. This is the direction of my thoughts as far as "ancient genetics" go. I think certain individuals had, have and will have access to this knowledge and technology. This is how our 1860s "abandoned" cities could have gotten repopulated.

      These "temple factories" were producing all sorts of living creatures. Meaning they were making everything, including humanoids, and other weird things we do not have properly classified today.


      Referências

      "Temple of Artemis at Ephesus, Turkey, 550BC." 7 Wonders of the World. November 8, 2009. Accessed May 21, 2015. http://7ww.org/listing/temple-of-artemis-at-ephesus-turkey-550bc/

      "Temple of Artemis at Ephesus - Crystalinks." Temple of Artemis at Ephesus - Crystalinks. Accessed May 21, 2015. http://www.crystalinks.com/templeofartemis.html

      "EPHESUS." Temple of Artemision, Artemision Temple Ephesus. Accessed May 21, 2015. http://www.ephesus.us/ephesus/templeofartemis.htm

      "Temple of Artemis at Ephesus Facts." Temple of Artemis at Ephesus Facts. Accessed May 22, 2015. http://www.softschools.com/facts/wonders_of_the_world/temple_of_artemis_. .

      "Once Described as the Seventh Wonder of the World." Once Described as the Seventh Wonder of the World. 2011. Accessed May 22, 2015.

      "Temple of Artemis at Ephesus Turkey." Ephesus Tours. Accessed May 22, 2015. http://www.ephesustoursguide.com/ephesus/temple-of-artemis

      "Seven Wonders of the Ancient World: The Temple of Artemis at Ephesus." Seven Wonders of the Ancient World: The Temple of Artemis at Ephesus. Accessed May 22, 2015. http://www.unmuseum.org/ephesus.htm

      Bryan

      Bryan graduated with a Bachelor of Art in History from Suffolk University and has a background in museum volunteering and as well as working with children’s groups at the Museum of Science and the National Park Service. He has traveled. consulte Mais informação


      When was the temple of Artemis at Ephesus destroyed? - História

      The Temple of Artemis at Ephesus

      "I have seen the walls and Hanging Gardens of ancient Babylon, the statue of Olympian Zeus, the Colossus of Rhodes, the mighty work of the high Pyramids and the tomb of Mausolus. But when I saw the temple at Ephesus rising to the clouds, all these other wonders were put in the shade" - Antipater of Sidon (Copyright Lee Krystek, 2010)

      1100 A.D.: A troop of Crusaders stops at a muddy little village in Asia Minor. Their leader looks around. Confused he dismounts. This place is not what he expected. He read in the ancient texts that this was a large seaport with many ships docked in its bay. It isn't. The sea is almost three miles away. The village is located in a swamp. There are no ships to be seen. The leader accosts a nearby man.

      "Sir, is this the city of Ephesus?"

      "It was called that once. Now it is named Ayasalouk."

      "Well, where is your bay? Where are the trading ships? And where is the magnificent Greek temple that we have heard about?"

      Now it is the man's turn to be confused. "Temple? What temple, Sir? We have no temple here. "

      And so 800 years after its destruction, the magnificent Temple of Artemis at Ephesus, one of the Seven Wonders of the Ancient World, had been completely forgotten by the people of the town that had once held it in such pride.

      And there is no doubt that the temple was indeed magnificent. "I have seen the walls and Hanging Gardens of ancient Babylon," wrote Philon of Byzantium, "the statue of Olympian Zeus, the Colossus of Rhodes, the mighty work of the high Pyramids and the tomb of Mausolus. But when I saw the temple at Ephesus rising to the clouds, all these other wonders were put in the shade."

      An 18th century engraving of the goddess Artemis of Ephesus.

      So what happened to this great temple? And what happened to the city that hosted it? What turned Ephesus from a busy port of trade to a few shacks in a swamp?

      The Shrine to the Goddess Artemis

      The first shrine to the Goddess Artemis was probably built around 800 B.C. on a marshy strip near the river at Ephesus. The Ephesus goddess Artemis, sometimes called Diana, is not quite the same figure as was worshiped in Greece. The Greek Artemis was the goddess of the hunt. The Ephesus Artemis was a goddess of fertility and was often pictured as draped with eggs or multiple breasts, symbols of fertility, from her waist to her shoulders.

      That earliest temple contained a sacred stone, probably a meteorite, that had "fallen from Jupiter." The shrine was destroyed and rebuilt several times over the next few hundred years. By 600 B.C., the city of Ephesus had become a major port of trade and an architect named Chersiphron was engaged to build a new, larger temple. He designed it with high stone columns. Concerned that carts carrying the columns might get mired in the swampy ground around the site, Chersiphron laid the columns on their sides and had them rolled to where they would be erected.

      This temple didn't last long. According to one story in 550 B.C., King Croesus of Lydia conquered Ephesus and the other Greek cities of Asia Minor and during the fighting, the temple was destroyed. An archeological examination of the site, however, suggests that a major flood hit the temple site at about the same time and may have been the actual cause of the destruction. In either case, the victorious Croesus proved himself a gracious new ruler by contributing generously to the building of a replacement temple.

      This next temple dwarfed those that had come before it. The architect is thought to be a man named Theodorus. Theodorus's temple was 300 feet in length and 150 feet wide with an area four times the size of the previous temple. More than one hundred stone columns supported a massive roof. One unusual feature of the temple was that a number of columns had bases that were carved with figures in relief.

      One of the column bases with carved figures preserved at the British Museum.

      The new temple was the pride of Ephesus until 356 B.C. when tragedy struck. A young Ephesian named Herostratus, who would stop at nothing to have his name go down in history, set fire to the wooden roof of the building. He managed to burn the structure to the ground. The citizens of Ephesus were so appalled by this act that after torturing Herostratus to death, they issued a decree that anyone who even spoke of his name would be put to death.

      One of the legends that grew up about the great fire was that the night that the temple burned was the very same night that Alexander the Great was born. According to the story, the goddess Artemis was so preoccupied with Alexander's safe birth she was unable to save her own temple from its fiery destruction.

      Construction of the Great Temple

      Shortly after the fire, a new temple was commissioned. The architect was Scopas of Paros, one of the most famous sculptors of his day. By this point Ephesus was one of the greatest cities in Asia Minor and no expense was spared in the reconstruction. According to Pliny the Elder, a Roman historian, the new temple was a "wonderful monument of Grecian magnificence, and one that merits our genuine admiration."

      The temple was built in the same wet location as before. To prepare the ground, Pliny recorded that "layers of trodden charcoal were placed beneath, with fleeces covered with wool upon the top of them." Pliny also noted that one of the reasons the builders kept the temple on its original marshy location was that they reasoned it would help protect the structure from the earthquakes which plagued the region.

      Another artist's conception of the temple (Copyright Lee Krystek 1998)

      The great temple is thought to be the first building completely constructed with marble. Like its predecessor, the temple had 36 columns whose lower portions were carved with figures in high-relief. The temple also housed many works of art including four bronze statues of Amazon women. The Amazons, according to myth, took refuge at Ephesus from Heracles, the Greek demigod, and founded the city.

      Pliny recorded the length of this new temple at 425 feet and the width at 225 feet. Some 127 columns, 60 feet in height, supported the roof. In comparison the Parthenon, the remains of which still stand on the Acropolis in Athens today, was only 230 feet long, 100 feet wide and had 58 columns.

      According to Pliny, construction took 120 years, though some experts suspect it may have only taken half that time. We do know that when Alexander the Great came to Ephesus in 333 B.C., the temple was still under construction. He offered to finance the completion of the temple if the city would credit him as the builder. The city fathers didn't want Alexander's name carved on the temple, but didn't want to tell him that. They finally gave the tactful response: "It is not fitting that one god should build a temple for another god" and Alexander didn't press the matter.

      Pliny reported that earthen ramps were employed to get the heavy stone beams perched on top of the columns. This method seemed to work well until one of the largest beams was put into position above the door. It went down crookedly and the architect could find no way to get it to lie flat. He was beside himself with worry about this until he had a dream one night in which the Goddess herself appeared to him saying that he should not be concerned. She herself had moved the stone into the proper position. The next morning the architect found that the dream was true. During the night the beam had settled into its proper place.

      Christianity Brings an End to Artemis Worship

      The theater at Ephesus where a riot nearly started in 57 A.D. over St. Paul's evangelism in the city. (Licensed through Wikipedia Commons courtesy Norman Herr)

      The city continued to prosper over the next few hundred years and was the destination for many pilgrims coming to view the temple. A souvenir business in miniature Artemis idols, perhaps similar to a statue of her in the temple, grew up around the shrine. It was one of these business proprietors, a man named Demetrius, that gave St. Paul a difficult time when he visited the city in 57 A.D.

      St. Paul came to the city to win converts to the then new religion of Christianity. He was so successful that Demetrius feared the people would turn away from Artemis and he would lose his livelihood. He called others of his trade together with him and gave a rousing speech ending with "Great is Artemis of the Ephesians!" They then seized two of Paul's companions and a near riot followed during a meeting at the city theater. Eventually, however, the city was quieted, the men released and Paul left for Macedonia.

      It was Paul's Christianity that won out in the end, though. By the time the great Temple of Artemis was destroyed during a raid by the Goths in 268 A.D., both the city and the religion of Artemis were in decline. The temple was rebuilt again, but in 391 it was closed by the Roman Emperor Theodosius the Great after he made Christianity the state religion. The temple itself was destroyed by a Christian mob in 401 and the stoned was recycled into other buildings. When the Roman Emperor Constantine rebuilt much of Ephesus a century later, he declined to restore the temple. He too had become a Christian and had little interest in pagan religions.

      Video: The Holocaust at the Temple at Ephesus

      Despite Constantine's efforts, Ephesus declined in its importance as a crossroads of trade. The bay where ships docked disappeared as silt from the river filled it. In the end what was left of the city was miles from the sea, and many of the inhabitants left the swampy lowland to live in the surrounding hills. Those that remained used the ruins of the temple as a source of building materials. Many of the fine sculptures were pounded into powder to make lime for wall plaster.

      Excavations to Find the Remains

      In 1863 the British Museum sent John Turtle Wood, an architect, to search for the temple. Wood met with many obstacles. The region was infested with bandits. Workers were hard to find. His budget was too small. Perhaps the biggest difficulty was that he had no idea where the temple was located. He searched for the temple for six years. Each year the British Museum threatened to cut off his funding unless he found something significant, and each year he convinced them to fund him for just one more season.

      Wood kept returning to the site each year many despite hardships. During his first season he was thrown from a horse, breaking his collar bone. Two years later he was stabbed within an inch of his heart during an assassination attempt upon the British Consul in Smyrna.

      Finally in 1869, at the bottom of a muddy twenty-foot deep test pit, his crew struck the base of the great temple. Wood then excavated the whole foundation removing 132,000 cubic yards of the swamp to leave a hole some 300 feet wide and 500 feet long. The remains of some of the sculptured portions of the temple were found and shipped to the British Museum where they can be viewed today.

      The site of the temple today (Licensed through Wikipedia Commons courtesy Adam Carr)

      In 1904 another British Museum expedition under the leadership of D.G. Hograth continued the excavation. Hograth found evidence of five temples on the site, each one constructed on top of the remains of another.

      Today the site of the temple near the modern town of Sel uk is only a marshy field. A single column has been erected to remind visitors that once there stood in this place one of the wonders of the ancient world.

      Copyright Lee Krystek 1998-2010. Todos os direitos reservados .


      Location and history of Temple of Artemis (Diana)

      The Temple of Artemis, also known less precisely as the Temple of Diana, was a Greek temple dedicated to a goddess Greeks identified as Artemis and was one of the Seven Wonders of the Ancient World. It was located in Ephesus (near the modern town of Selcuk in present-day Turkey), and was completely rebuilt three times before its eventual destruction in 401. Only foundations and sculptural fragments of the latest of the temples at the site remain.

      The first sanctuary (temenos) antedated the Ionic immigration by many years, and dates to the Bronze Age. Callimachus, in his Hymn to Artemis, attributed it to the Amazons. In the 7th century BC, the old temple was destroyed by a flood. Its reconstruction began around 550 BC, under the Cretan architect Chersiphron and his son Metagenes, at the expense of Croesus of Lydia: the project took 10 years to complete, only to be destroyed in an act of arson by Herostratus. It was later rebuilt.

      Antipater of Sidon, who compiled the list of the Seven Wonders, describes the finished temple:

      I have set eyes on the wall of lofty Babylon on which is a road for chariots, and the statue of Zeus by the Alpheus, and the hanging gardens, and the colossus of the Sun, and the huge labour of the high pyramids, and the vast tomb of Mausolus but when I saw the house of Artemis that mounted to the clouds, those other marvels lost their brilliancy, and I said, “Lo, apart from Olympus, the Sun never looked on aught so grand”.

      Location and history

      The Temple of Artemis was located near the ancient city of Ephesus, about 50 km south from the modern port city of Izmir, in Turkey. Today the site lies on the edge of the modern town of Selçuk.

      Earliest phase

      The sacred site (temenos) at Ephesus was far older than the Artemision itself. Pausanias was certain that it antedated the Ionic immigration by many years, being older even than the oracular shrine of Apollo at Didyma. He said that the pre-Ionic inhabitants of the city were Leleges and Lydians. Callimachus, in his Hymn to Artemis, attributed the earliest temenos at Ephesus to the Amazons, whose worship he imagines already centered upon an image (bretas) of Artemis, their matron goddess.

      Modern archaeology cannot confirm Callimachus’s Amazons, but Pausanias’s account of the site’s antiquity seems well-founded. Before World War I, site excavations by David George Hogarth identified three successive temple buildings. Re-excavations in 1987-88 confirmed that the site was occupied as early as the Bronze Age, with a sequence of pottery finds that extend forward to Middle Geometric times, when the clay-floored peripteral temple was constructed, in the second half of the 8th century BC. The peripteral temple at Ephesus offers the earliest example of a peripteral type on the coast of Asia Minor, and perhaps the earliest Greek temple surrounded by colonnades anywhere.

      In the 7th century, a flood destroyed the temple, depositing over half a meter of sand and flotsam over a floor of hard-packed clay. Among the flood debris were the remains of a carved ivory plaque of a griffin and the Tree of Life, apparently North Syrian, and a number of drilled tear-shaped amber drops of elliptical cross-section. These probably once dressed a wooden effigy (xoanon) of the Lady of Ephesus, which must have been destroyed or recovered from the flood. Bammer notes that though the site was prone to flooding, and raised by silt deposits about two metres between the eighth and 6th centuries, and a further 2.4 m between the sixth and the fourth, its continued use “indicates that maintaining the identity of the actual location played an important role in the sacred organization”.


      Assista o vídeo: O grande templo na cidade de Efeso, deusa diana, artemis. (Junho 2022).


Comentários:

  1. Jozef

    está absolutamente de acordo com a comunicação anterior

  2. Vortigern

    Congratulations, what words ... wonderful thought

  3. Devy

    Eu confirmo. Assim acontece. Podemos nos comunicar sobre este tema.

  4. Wyiltun

    Eu gostaria de falar com você, para mim é o que dizer sobre esta questão.

  5. Dohn

    Discordar



Escreve uma mensagem